Como acabou o neoconcretismo?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2022.200329

Palavras-chave:

Hélio Oiticica, Neoconcretismo, Arte brasileira, Materialismo histórico

Resumo

Neste artigo, Nicholas Brown analisa a trajetória de Hélio Oiticica desde seus trabalhos da década de 1950, alinhados às pesquisas da vanguarda neoconcreta, até sua obra dos anos 1970, demonstrando como o componente da experiência, tematizado na produção tardia de Oiticica, encontra-se implícito à objetividade do seu trabalho inicial, numa espécie de mobilização permanente da dialética entre ideia e o suporte literal existente no espaço. Examina, ainda, a configuração específica que a correlação entre história política e cadeia histórico-artística adquire no Neoconcretismo. Finalmente, a partir da contradição produtiva entre substrato concreto e superfície significante na obra de Oiticica, Brown sinaliza como a dinâmica entre história intelectual e sociopolítica se apresenta ao final da trajetória do artista como reivestimento do objeto de arte a contrapelo da lógica da mercadoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nicholas Brown, University of Illinois, Estados Unidos

Nicholas Brown teaches Modernism, African literature, and critical theory in the English Department and in the Department of African American Studies, with an affiliate position in Art History. His research interests include Marxism, Hegel studies, the history of aesthetics, Lusophone literature, and music studies. His first monograph, Utopian Generations: The Political Horizon of Twentieth-Century Literature (Princeton, 2005), examined the relationship between postcolonial literature and European modernism, and the relationship of each to continuing crises in the global economic system. His new book, Autonomy: The Social Ontology of Art Under Capitalism (Duke, 2019), asserts the resumption of the modernist sequence — not always in the expected places — in the era after postmodernism. Chapters of Autonomy have appeared in nonsite, Postmodern Culture, and the Revista do Instituto dos Estudos Brasileiros. Former President of the Marxist Literary Group, Professor Brown chairs the editorial board of the journal Mediations and is a founding editor of the electronic/print press MCM. 

Referências

BOURRIAUD, Nicolas. Relational Aesthetics / Translated by Simon Pleasance and Fronza Woods. Dijon: Les presses du réel, 2002.

BOURRIAUD, Nicolas. Esthétique relationnelle. Dijon: Les presses du reel, 2001.

FRIED, Michael. Art and Objecthood. In BATTCOCK, Gregory. Minimal Art: A Critical Anthology. Los Angeles: California Press, 1995, pp. 116-147.

GULLAR, Ferreira. Diálogo sobre o não-objeto. In Antologia Crítica: Suplemento Dominical do Jornal do Brasil. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2015a.

GULLAR, Ferreira. Manifesto Neo-concreto. In Antologia Crítica: Suplemento Dominical do Jornal do Brasil. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2015b.

GULLAR, Ferreira. Teoria do não-objeto. In Antologia Crítica: Suplemento Dominical do Jornal do Brasil. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2015c.

JIMÉNEZ, Ariel. Ferreira Gullar in Conversation with / en conversación con Ariel Jiménez. New York: Fundación Cisneros, 2012.

MARTINS, Carlos Estevam. Anteprojeto do Manifesto do Centro Popular de Cultura. In HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde, 1960/1970. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004, pp. 135-168.

OITICICA, Hélio. A dança na minha experiência [1965]. In Aspiro ao grande labirinto / seleção de textos Luciano Figueiredo, Lygia Pape, Waly Salomão. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986a, pp. 72-76.

OITICICA, Hélio. A OBRA, SEU CARÁTER OBJETAL, O COMPORTAMENTO [1968]. In Aspiro ao grande labirinto / seleção de textos Luciano Figueiredo, Lygia Pape, Waly Salomão. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986b, pp. 118-120.

OITICICA, Hélio. Bases fundamentais para uma definição do “Parangolé” [1964]. In Aspiro ao grande labirinto / seleção de textos Luciano Figueiredo, Lygia Pape, Waly Salomão. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986c, pp. 65-69.

OITICICA, Hélio. Bólides [1963]. In Aspiro ao grande labirinto / seleção de textos Luciano Figueiredo, Lygia Pape, Waly Salomão. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986d, pp. 63-65.

OITICICA, Hélio. Posição e programa [1966]. In Aspiro ao grande labirinto / seleção de textos Luciano Figueiredo, Lygia Pape, Waly Salomão. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986e, pp. 77-83.

OITICICA, Hélio. Suporte [1962]. In Aspiro ao grande labirinto / seleção de textos Luciano Figueiredo, Lygia Pape, Waly Salomão. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986f, p. 38.

PAPE, Lygia. Fala, Hélio, Revista de Cultura Vozes, Rio de Janeiro, n. 5, jun./jul. 1978, pp. 43-50.

SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

SMALL, Irene V. Hélio Oiticica: Folding the Frame. Chicago: University of Chicago Press, 2016.

TOLEDO, Caio Navarro de. 1964: Visões críticas do golpe. Campinas, Brasil: Editora Unicamp, 1997.

WALL, Jeff. Marks of Indifference: Aspects of Photography in, or as, Conceptual Art. In GOLDSTEIN, Ann; RORIMER, Anne (ed.). Reconsidering the Object of Art, 1965-1975. Cambridge, Massachusetts: MIT, 1995, pp. 247-267.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

Brown, N. . (2022). Como acabou o neoconcretismo?. ARS (São Paulo), 20(45), 298-360. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2022.200329