Do Surrealismo em David Lynch

Autores

  • Mirian Tavares Universidade do Algarve; Centro de Investigação em Artes e Comunicação

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-53202009000200008

Palavras-chave:

surrealismo, David Lynch, André Breton

Resumo

O surrealismo, como a arte do seu tempo, propõe uma nova estética, capaz de extrair o belo do absurdo e de instaurar o desvio para que daí surja, de fato, o real. Através da análise de algumas obras de David Lynch e dos livros Les champs magnétiques de Breton e Philippe Soupault e Poisson soluble, de Breton, irei mostrar a pertinência da designação surrealista para a obra do cineasta norte-americano. Lynch, como os surrealistas, constrói uma operação dialética entre o racional/irracional. Ao mesmo tempo em que opera no campo artístico em direção à irracionalidade absoluta, Lynch não nega a sua inserção na sociedade. Acredito que o realizador, como os surrealistas, tenha conseguido encontrar um equilíbrio entre as duas formas de se estar no mundo, racional/irracional, jogando com suas antíteses. O prazer do jogo surrealista consiste em ir até as profundezas do inconsciente e retornar com matéria suficiente para fazer uma obra de arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-01-01

Como Citar

Tavares, M. (2009). Do Surrealismo em David Lynch . ARS (São Paulo), 7(14), 98-111. https://doi.org/10.1590/S1678-53202009000200008

Edição

Seção

Arte, tecnologia e novas mídias