Corpos de trabalho, corpos de festa: negros e mestiços na festa colonial Triunfo Eucarístico, em Vila Rica (1733)

Autores

  • Mariana Soutto Mayor Departamento de Artes Cênicas. Escola de Comunicação e Artes. Universidade de São Paulo.

Palavras-chave:

História do teatro negro, Performance negra, Festa colonial, Minas Gerais, Práticas representacionais do século XVIII no Brasil.

Resumo

O trabalho tem por objetivo levantar questões para a análise das funções e formas da presença de homens e mulheres negras e mestiças nas festas coloniais do século XVIII em Minas Gerais, a partir do estudo de caso da festividade religiosa Triunfo Eucarístico, de 1733, em Vila Rica. O texto parte do estudo sobre a formação de artistas e artesãos negros e mestiços em Minas Gerais, e também da leitura de documentos e relatos de época, para investigar, do ponto de vista das artes cênicas, o papel dos artistas negros e mestiços nas práticas representacionais festivas que dominaram o cenário cultural da colônia desde o século XVI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Soutto Mayor, Departamento de Artes Cênicas. Escola de Comunicação e Artes. Universidade de São Paulo.

Atriz, professora e pesquisadora de teatro brasileiro. Atualmente é doutoranda no PPGAC/USP (bolsa Capes) e integrante do Lits, Laboratório de Investigação em Teatro e Sociedade da ECA/USP.

Referências

ANTONIL, A. J. Cultura e opulência do Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1982.

AVILA, A. Resíduos Seiscentistas de Minas Gerais: textos do século do ouro e as projeções do mundo barroco. v. I. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 1967a.

______. Resíduos Seiscentistas de Minas Gerais. v. II. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 1967b.

BOXER, C. R. A idade do ouro no Brasil: dores de crescimento de uma sociedade colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

BRESCIA, R. M. O teatro efêmero na América Portuguesa: do teatro do Siglo de Oro ao teatro “ao gosto português”. Nuevo Mundo Mundos Nuevos [On-line], Paris, 2010. Disponível em: <https://goo.gl/KSBMec>. Acesso em: 19 jun. 2017.

CAMPOS, A. A. Introdução ao barroco mineiro. Belo Horizonte: Crisálida, 2006.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ática, 1978.

______. Significado do protesto negro. São Paulo: Cortez, 1989.

LANGE, C. História da música nas irmandades de Vila Rica: Freguesia de Nossa Senhora do Pilar do Ouro Preto. v. 1. Belo Horizonte: Publicações do Arquivo Público Mineiro, 1979.

______. A música barroca. In: FAUSTO, B.; HOLLANDA, S. B. (org.). História geral da civilização brasileira: administração, economia, sociedade. São Paulo: Difel, 1982.

LARA, S. H. Fragmentos setecentistas: Escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MACHADO, S. F. Triunfo Eucarístico, exemplar da cristandade lusitana em pública exaltação da fé na solene trasladação do Diviníssimo Sacramento da Igreja da Senhora do Rosário, para um novo templo da Senhora do Pilar em Vila Rica, corte da Capitania das Minas. In: AVILA, A. Resíduos Seiscentistas de Minas Gerais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 1967b, p.129-283.

MONTEIRO, M. F. M. A dança na festa colonial. In: JANCSÓ, I.; KANTOR, I. (org.). Festa: cultura e sociabilidade na América portuguesa. São Paulo: Hucitec; EDUSP, 2001, v. II.

RIBEIRO, S. S. Summula Triumfal da nova e grande celebridade do glorioso e invicto martyr S. Gonçalo Garcia. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, tomo 99, v. 153, 1926.

REVISTA DO ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO. População da Província de Minas Geraes. Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1899. Disponível em: <https://goo.gl/hwQCyJ>. Acesso em: 19 jun. 2017.

SOUZA, L. M. Os desclassificados do ouro. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

______. Perfis brasileiros: Cláudio Manuel da Costa. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SCHWARZ, R. As ideias fora do lugar. In: Cultura e política. São Paulo: Paz e Terra, 2009, p. 59-83.

TRINDADE, J. B. Arte colonial: Corporação e escravidão. In: ARAÚJO, E. (org.). A mão afro-brasileira: significado da contribuição artística e histórica. São Paulo: Tenenge, 1988.

Downloads

Publicado

2017-09-07

Como Citar

Mayor, M. S. (2017). Corpos de trabalho, corpos de festa: negros e mestiços na festa colonial Triunfo Eucarístico, em Vila Rica (1733). Revista Aspas, 7(1), 138-154. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/126523