Teatro Hillbrow: perspectivas históricas e políticas de um teatro atuando na localidade afro-migrante de Johannesburgo - África do Sul

Autores

Palavras-chave:

Teatro em contexto, Teatro Hillbrow, Migração, Arte política.

Resumo

Este texto tece diretrizes de um estudo de caso sobre as práticas teatrais de um teatro inserido no contexto pós-apartheid da África do Sul, de contorno político-social. Este teatro é feito pelo grupo estabelecido no Teatro Hillbrow, na cidade de Johannesburgo. No contexto em que o grupo se insere, configuram-se cosmologias existenciais de saberes múltiplos devido ao legado de separatismo étnico e à intensa mobilidade histórica de africanos no local. Os moradores do bairro, em sua maioria constituída de imigrantes, buscam sentidos de cidadania possíveis entre arranjos e acordos sociais baseados na precariedade e na transitoriedade. Este teatro abriga hoje a Outreach Foundation, uma organização não governamental (ONG) que desenvolve programas de desenvolvimento teatral que se relacionam com complexidades sociais tamanhas, que operam como uma plataforma de fruição em arte, educação e transformação para os jovens participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Miranda da Cunha, Programa de Pós-Graduação em Teatro na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Doutoranda em Teatro pelo Programa de Pós-Graduação em Teatro na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Atua como pesquisadora em questões ligadas à performance, políticas do corpo, corporeidade e subjetividade. 

Referências

BAUMAN, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BOAL, A. Teatro do Oprimido. São Paulo: Civilização Brasileira, 2012.

BREMMER, L. Reinventing the Johannesburg inner city. Cities: The International Journal of Urban Policy and Planning, Amsterdam, v. 17, n. 3, p. 185-193, 2000.

CABALLERO, I. D. Cenários liminares: teatralidades, performances e política. Tradução Luis Alberto Alonso e Angela Reis. Uberlândia: UFU, 2011. p. 208. (Coleção teoria Teatral Latino Americana).

FREIRE, P. A pedagogia do oprimido. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013. 253 p.

LANDAU, L. B. Mobility and metanarrative: revisiting South African social science through migration and displacement. In: INAUGURAL LECTURE UNIVERSITY OF THE WITWATERSRAND, 18 jun. 2014, Johannesburg.

NEGRI, A.; HARDT, M. Declaração, isto não é um manifesto. Tradução Carlos Szlak. 2. ed. São Paulo: N1 Edições, 2016.

NOLETO, R. S.; ALVES, Y. C. Liminaridade e communitas: Victor Turner. In: A ENCICLOPÉDIA. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – FFLCH, Universidade de São Paulo, 2015. Disponível em: <https://goo.gl/nt1QBX>. Acesso em: 24 jul. 2017.

PELBART, P. P. Elementos para uma cartografia da grupalidade. In: SAADI, F.; GARCIA, S. (org.). Próximo ato: questões da teatralidade contemporânea. São Paulo: Itaú Cultural. 2008. p. 33-37.

POVINELLI, E. Economies of abandonment: social belonging and endurance in late liberalism. Durham: Duke University Press, 2011.

POVINELLI, E. Geontologia do aquilo-outro. Tradução: Adriana Miranda da Cunha e Paloma Bianchi. Urdimento, Florianópolis, v. 2. n. 27, p. 418-422, 2016.

TURNER, V. The ritual process: structure and anti-structure. Piscataway: Transaction Publishers. 1995. 213 p.

WILHELM-SOLOMON, M. Prophets of the city. In: PAMPALONE, T.; ACCONE, D. Writing invisibility: conversations on the hidden city. Johannesburg: Mail and Guardian; Milwaukee: ACMS, 2013. p. 34-46.

Downloads

Publicado

2017-09-07

Como Citar

Cunha, A. M. da. (2017). Teatro Hillbrow: perspectivas históricas e políticas de um teatro atuando na localidade afro-migrante de Johannesburgo - África do Sul. Revista Aspas, 7(1), 68-84. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/131471