Tentando definir a estética negra em dança

Autores

  • Nadir Nóbrega Oliveira Universidade Federal de Alagoas

Palavras-chave:

Blocos afro, Coreografia, Estética negra.

Resumo

Neste artigo, procuro contextualizar observações sobre as coreografias desenvolvidas por mim e por outros coreógrafos nos blocos afro carnavalescos Bankoma, Ilê Aiyê, Malê Debalê e Olodum, cheias de significados e de movimentos, aplicando meus próprios conhecimentos, assimilados durante o doutorado no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, da Universidade Federal da Bahia, bem como conteúdos aprendidos em Dança Moderna e Danças Africanas, enquanto dançarina e aluna do professor Clyde Wesley Morgan e do coreógrafo Buly Soukol, do Balé La Linguér, Senegal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nadir Nóbrega Oliveira, Universidade Federal de Alagoas

PhD em Artes Cênicas – Dança pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia. Professora Adjunta do Curso de Licenciatura em Dança da Universidade Federal de Alagoas, Diretora do Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore da Universidade Federal de Alagoas.

Referências

ALMEIDA JR., A. F. A contracultura e a política que o Ilê Aiyê inaugura: relações de poder na contemporaneidade. 2010. 178 f. Tese (Doutorado em Cultura e Sociedade) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

ANDRADE, M. de. Danças dramáticas do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1982.

ASANTE, K. W. Commonalities in african dance: an aesthetic foundation. In: ASANTE, M. K.; ASANTE, K. W. African culture: the rhythms of unity. New Haven: Greenwood, 1985.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União. Poder Legislativo. Brasília, DF, 11 mar. 2008. Seção 1, p. 1. Disponível em: <https://goo.gl/mmjVqR>. Acesso em: 17 jul. 2016.

BIÃO, A. Etnocenologia, uma introdução. In: GREINER, C.; BIÃO, A. (org.). Etnocenologia: textos selecionados. São Paulo: Annablume, 1999. p. 15-22.

BIÃO, A. et al. (org.). Temas em contemporaneidade, imaginário e teatralidade. São Paulo: Annablume, 2001.

CUNHA JR., H. A História Africana e os elementos básicos para seu ensino. In: LIMA, I. C.; ROMÃO, J. (org.). Negros e currículo. Florianópolis: Atilènde, 2001. (Série Pensamento Negro em Educação, Vol. 2).

JEUDY, H.-P. O corpo como objeto de arte. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.

LABAN, R. Domínio do movimento. São Paulo: Summus, 1978.

LUZ, N. C. P. Bahia a Roma negra: estratégias comunitárias e educação pluricultural. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO –INTERCOM, 25., 2002, Salvador. Anais… Salvador: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, set. 2002. p. 1-18.

MACEDO, M. J. Abdias do Nascimento: a trajetória de um negro revoltado (1913-1968). 2006. 285 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

MARTINS, S. A dança de Yemanjá Ogunté sob a perspectiva estética do corpo. Salvador: EGBA, 2008.

MELO, G. Divina, tu és, Mercedes Baptista! Salgueiro, Rio de Janeiro, 18 ago. 2014. Disponível em: <http://bit.ly/2vCSRtG>. Acesso em: 27 jun. 2015.

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: Identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999. (Coleção Identidade Brasileira).

OLIVEIRA, N. N. Dança afro-sincretismo de movimentos. Salvador: Ufba, 1991.

______. Agô Alafiju, Odara! A presença de Clyde Wesley Morgan na Escola de Dança da UFBA, de 1971 a 1978. 2006. 317 f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

______. Sou negona, sim senhora! Um olhar nas práticas espetaculares dos blocos afro Ilê Aiyê, Olodum, Malê Debalê e Bankoma no carnaval soteropolitano. 2013. 254 f. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

PEREIRA, R. A formação do balé brasileiro: nacionalismo e estilização. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

PRADIER, J.-M. Etnocenologia: a carne do espírito. Tradução Armindo Bião. Revista Repertório: Teatro e Dança, Salvador, n. 1, p. 9-21, 1997.

SÁNCHEZ, L. M. M. A dramaturgia da memória no teatro-dança. São Paulo: Perspectiva, 2010.

SERRANO, L. S. Corpografias: uma leitura corporal dos intérpretes-criadores do grupo Dimenti. 2010. 215 f. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

SILVA JR., P. M. Mercedes Baptista: a criação da identidade negra na dança. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2007.

Downloads

Publicado

2017-09-07

Como Citar

Oliveira, N. N. (2017). Tentando definir a estética negra em dança. Revista Aspas, 7(1), 34-50. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/134013