Bricolagem metodológica na compreensão de performances interativas no espaço público

Autores

  • Vanessa Sonia Santos Universitat Pompeu Fabra

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v7i2p78-96

Palavras-chave:

Espaço público, Performance, Metodologia, Participação, Prática artística.

Resumo

Este artigo discute novas perspectivas na condução de estudos acadêmicos que possam gerar um pluralismo metodológico a partir da aproximação entre reflexão teórica e elaboração prática. Apresenta um projeto de pesquisa que incluiu a concepção da performance Chronica Mobilis para exemplificar como o processo de criação artística pode servir como meio principal de entendimento da experiência, tanto do pesquisador, convertido em realizador, quanto das pessoas em relação à obra concebida. A bricolagem metodológica feita pelo estudo mencionado, em uma combinação entre fazer artístico e métodos científicos tradicionais, sinaliza para um conhecimento que também pode ser adquirido com o processo prático. Este artigo argumenta em favor da validade e da legitimação desse método, apontando para a criação de um saber no sentido experiencial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Sonia Santos, Universitat Pompeu Fabra

Doutora em Comunicação pela Universitat Pompeu Fabra, com a tese Designing mobile narratives: discursive strategies and participation modes in locative media art, sob orientação do Dr. Roc Parés Burguès

Referências

ACETI, L. Meanderings and reflections on locative art. Leonardo Electronic Almanac, San Francisco, v. 21, n. 1, p. 10-13, 2016.

CANDY, L. Research and creative practice. In: CANDY, L; EDMONDS, E. A. (org.). Interacting: art, research and the creative practitioner. Faringdon: Libri Publishing Ltd, 2011. p. 33-59.

DEBORD, G. Theory of the Dérive. Internationale Situationniste, Paris, v. 2, p. 50-54, 1958.

EISNER, E. Does arts-based research have a future? Inaugural lecture for the first European conference on arts-based research Belfast, Northern Ireland, June 2005. Studies in Art Education, Abingdon, v. 48, n. 1, p. 9-18, 2006.

GALLOWAY, A. A brief history of the future of urban computing and locative media. 2008. 304 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Departmento de Sociologia e Antropologia, Carleton University, Ottawa, 2008.

GREENWOOD, J. The limits of language: a case study of an arts-based research exploration. New Zealand Journal of Research in Performing Arts and Education: Nga mahi a Rehia no Aotearoa, Christchurch, v. 6, p. 89-100, 2016.

KINCHELOE, J. L. On to the next level: continuing the conceptualization of the bricolage. Qualitative Inquiry, Thousand Oaks, v. 11, n. 3, p. 323-350, 2005.

LATHER, P. Fertile obsession: validity after poststructuralism. The Sociological Quarterly, Abingdon, v. 34, n. 4, p. 673-693, 1993.

LEMOS, A.; JOSGRILBERG, F. Comunicação e mobilidade: aspectos socioculturais das tecnologias móveis de comunicação no Brasil. Salvador: Edufba, 2009.

MCNIFF, S. Art-based research. In: KNOWLES, J. G.; COLE, A. L. (org.). Handbook of the arts in qualitative research: perspectives, methodologies, examples, and issues. Thousand Oaks: Sage Publications, 2008. p. 29-40.

ROLLING, J. H. Arts-based research primer. Nova Iorque: Peter Lang, 2013.

SHELLER, M; IVERSON, H. L.A. Re.Play: Mobile Network Culture in Placemaking, Leonardo Electronic Almanac, San Francisco, v. 21, n. 1, p. 14-25, 2016.

TUTERS, M.; VARNELIS, K. Beyond locative media: giving shape to the internet of things. Leonardo Electronic Almanac, San Francisco, v. 39, n. 4, p. 357-363, 2006.

ZIMMERMAN, E. Play as research: the iterative design process. In: LAUREL, B. Design research: methods and perspectives. Cambridge, MA: MIT Press, 2003. p. 176-184.

Downloads

Publicado

2018-05-04

Como Citar

Santos, V. S. (2018). Bricolagem metodológica na compreensão de performances interativas no espaço público. Revista Aspas, 7(2), 78-96. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v7i2p78-96