El intento de definir la estética de la danza negra

Autores

  • Nadir Nóbrega Oliveira Universidade Federal de Alagoas

Palavras-chave:

Blocos afro, Coreografía, Estética negra

Resumo

En este artículo trato de contextualizar los comentarios sobre las coreografías desarrolladas por mí y por otros coreógrafos en los blocos afro de carnaval: Bankoma, Ilê Aiyê, Malê Debalê y Olodum; coreografías de muchos significados y movimientos, aplicando mis conocimientos asimilados durante el doctorado en el Programa de Posgrado en Artes Escénicas, de la Universidad Federal de Bahía, así como los contenidos aprendidos en Danza Moderna y Danzas Africanas como bailarina y estudiante del profesor Clyde Wesley Morgan y del coreógrafo Buly Soukol, del Ballet la Linguér, Senegal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nadir Nóbrega Oliveira, Universidade Federal de Alagoas

PhD en Artes Escénicas: Danza por el Programa de Posgrado en Artes Escénicas de la Universidad Federal de Bahía. Profesora Adjunta del Curso de Licenciatura en Danza de la Universidad Federal de Alagoas, Directora del Museo Théo Brandão de Antropología y Folclore de la Universidad Federal de Alagoas.

Referências

ALMEIDA JR., A. F. A contracultura e a política que o Ilê Aiyê inaugura: relações de poder na contemporaneidade. 2010. 178 f. Tese (Doutorado em Cultura e Sociedade) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

ANDRADE, M. de. Danças dramáticas do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1982.

ASANTE, K. W. Commonalities in african dance: an aesthetic foundation. In: ASANTE, M. K.; ASANTE, K. W. African culture: the rhythms of unity. New Haven: Greenwood, 1985.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União. Poder Legislativo. Brasília, DF, 11 mar. 2008. Seção 1, p. 1. Disponível em: <https://goo.gl/mmjVqR>. Acesso em: 17 jul. 2016.

BIÃO, A. Etnocenologia, uma introdução. In: GREINER, C.; BIÃO, A. (org.). Etnocenologia: textos selecionados. São Paulo: Annablume, 1999. p. 15-22.

BIÃO, A. et al. (org.). Temas em contemporaneidade, imaginário e teatralidade. São Paulo: Annablume, 2001.

CUNHA JR., H. A História Africana e os elementos básicos para seu ensino. In: LIMA, I. C.; ROMÃO, J. (org.). Negros e currículo. Florianópolis: Atilènde, 2001. (Série Pensamento Negro em Educação, Vol. 2).

JEUDY, H.-P. O corpo como objeto de arte. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.

LABAN, R. Domínio do movimento. São Paulo: Summus, 1978.

LUZ, N. C. P. Bahia a Roma negra: estratégias comunitárias e educação pluricultural. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO –INTERCOM, 25., 2002, Salvador. Anais… Salvador: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, set. 2002. p. 1-18.

MACEDO, M. J. Abdias do Nascimento: a trajetória de um negro revoltado (1913-1968). 2006. 285 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

MARTINS, S. A dança de Yemanjá Ogunté sob a perspectiva estética do corpo. Salvador: EGBA, 2008.

MELO, G. Divina, tu és, Mercedes Baptista! Salgueiro, Rio de Janeiro, 18 ago. 2014. Disponível em: <http://bit.ly/2vCSRtG>. Acesso em: 27 jun. 2015.

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: Identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999. (Coleção Identidade Brasileira).

OLIVEIRA, N. N. Dança afro-sincretismo de movimentos. Salvador: Ufba, 1991.

______. Agô Alafiju, Odara! A presença de Clyde Wesley Morgan na Escola de Dança da UFBA, de 1971 a 1978. 2006. 317 f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

______. Sou negona, sim senhora! Um olhar nas práticas espetaculares dos blocos afro Ilê Aiyê, Olodum, Malê Debalê e Bankoma no carnaval soteropolitano. 2013. 254 f. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

PEREIRA, R. A formação do balé brasileiro: nacionalismo e estilização. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

PRADIER, J.-M. Etnocenologia: a carne do espírito. Tradução Armindo Bião. Revista Repertório: Teatro e Dança, Salvador, n. 1, p. 9-21, 1997.

SÁNCHEZ, L. M. M. A dramaturgia da memória no teatro-dança. São Paulo: Perspectiva, 2010.

SERRANO, L. S. Corpografias: uma leitura corporal dos intérpretes-criadores do grupo Dimenti. 2010. 215 f. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

SILVA JR., P. M. Mercedes Baptista: a criação da identidade negra na dança. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2007.

Publicado

2017-09-07

Como Citar

Oliveira, N. N. (2017). El intento de definir la estética de la danza negra. Revista Aspas, 7(1), 51-67. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/137739