Autoetnografia: um caminho metodológico para a pesquisa em artes performativas

Autores

  • Camila Matzenauer dos Santos Universidade Federal de Santa Maria
  • Gisela Reis Biancalana Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v7i2p53-63

Palavras-chave:

Criação, Metodologia, Performance.

Resumo

Este artigo discorre acerca do método de pesquisa autoetnográfico aplicado a um fazer artístico performativo em desenvolvimento no mestrado em Artes Visuais. Neste contexto, o trabalho é acompanhado e, consequentemente, atravessado colaborativamente pela artista docente-pesquisadora que orienta a investigação. O percurso reflexivo desenvolvido ancora-se em diferentes autores, como Laplantine, Fortin e Cattani, para abordagem deste procedimento metodológico e sua aplicação em duas performances: Diane e Yasmin.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Matzenauer dos Santos, Universidade Federal de Santa Maria

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal Santa Maria (UFSM) e bolsista CNPQ. Bailarina, performer e coreógrafa na Umbigo de Bruxa – Virações Artísticas.

Gisela Reis Biancalana, Universidade Federal de Santa Maria

Professora doutora do curso de Bacharelado em Dança e membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Pesquisadora em performance, arte e cultura. Atua como performer, diretora e docente-pesquisadora.

Referências

BIANCALANA, G. R. Trabalhos conjuntos e processos colaborativos. In: CONGRESSO DA ABRACE, 9., 2017, Uberlândia. Anais… Uberlândia: UFU, 2017. p. 805-823.

BONDÍA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

CANO, R. L.; OPAZO, U. S. C. Investigación artística en música: problemas, métodos, experiencias y modelos. Barcelona: Fonca-Esmuc, 2014.

CATTANI, I. B. Arte contemporânea: o lugar da pesquisa. In: BRITES, B.; TESSLER, E. (org.) O meio como ponto zero: metodologia da pesquisa em artes plásticas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002. p. 35-50.

COHEN, R. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 1989.

FORTIN, S. Contribuições possíveis da etnografia e da auto-etnografia para a pesquisa na prática artística. Revista Cena, Porto Alegre, n. 7, p. 77-88, 2009.

GLUSBERG, J. A arte da performance. Tradução Renato Cohen. São Paulo: Perspectiva, 1987.

LAPLANTINE, F. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 1996.

REY, S. Por uma abordagem metodológica da pesquisa em artes visuais. In: BRITES, B.; TESSLER, E. (org.). O meio como ponto zero: metodologia da pesquisa em artes plásticas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002. p. 123-140.

VERSIANI, D. B. Autoetnografias: conceitos alternativos em construção. Rio de Janeiro: 7Letras, 2005.

Downloads

Publicado

2018-05-04

Como Citar

Santos, C. M. dos, & Biancalana, G. R. (2018). Autoetnografia: um caminho metodológico para a pesquisa em artes performativas. Revista Aspas, 7(2), 53-63. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v7i2p53-63