O épico, o perspectivismo, a miscigenação e a malandragem nas fricções entre o artista-pesquisador e o pesquisador-artista

Autores

  • Luiz Eduardo Frin Instituto de Arte e Ciência e Escola de Artes Cênicas Wilson Geraldo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v7i2p112-125

Palavras-chave:

Épico, Perspectivismo, Miscigenação, Malandragem, Ensaio como forma.

Resumo

Neste trabalho, apresento resumidamente elementos da minha tese de doutorado Épica, em perspectiva, miscigenada e malandra: mergulhos em processos criativos da Cia. Livre e da Cia. Teatro Balagan trazem à tona forma de produção do sujeito teatro de grupo paulistano, em que defendi que a forma de produção desenvolvida pelo sujeito histórico teatro de grupo paulistano é predominantemente épica e comporta elementos fundantes do denominado povo brasileiro: a miscigenação, o perspectivismo e a malandragem. Além disso, relato neste artigo algumas fricções ocorridas no processo de pesquisa, concernentes às relações estabelecidas entre o sujeito pesquisador e o objeto de pesquisa, fricções estas que foram determinantes para a forma final ensaística do trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Eduardo Frin, Instituto de Arte e Ciência e Escola de Artes Cênicas Wilson Geraldo

Doutorado pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Ator, cantor, diretor de teatro e dramaturgo. Professor do curso profissionalizante do Indac (Instituto de Arte e Ciência) – Escola de Atores (São Paulo/SP) e da Escola de Artes Cênicas Wilson Geraldo (Santos/SP).

Referências

ABREU, L. A. A restauração da narrativa. O Percevejo, Rio de Janeiro, ano 8, n. 9, p. 115-125, 2000.

ADORNO, T. W. Notas de Literatura I. São Paulo: Duas Cidades; Edições 34, 2003.

BENJAMIN, W. O narrador: considerações sobre a obra de Nicolai Leskov. In: ______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 197-221.

BOMFIM, M. Companhia Livre vai ao passado para discutir questões de gênero. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 jan. 2015. Cultura. Disponível em: https://goo.gl/kE69s1. Acesso em: 23 nov. 2017.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 9. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CANDIDO, A. Dialética da malandragem. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 8, p. 67-89, 1970.

CASTRO, E. V. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. 5. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2002.

DAMATTA, R. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DIAS, N.; THAÍS, M. O espaço mítico. In: THAÍS, M. (org.). Balagan: Companhia de teatro. São Paulo: Cia. Teatro Balagan, 2014. Não paginado.

FORJAZ, C. Diário de bordo. In: CESARINO, P. (org.). VemVai – O caminho dos mortos. São Paulo: Cia. Livre, [2007?]. p. 46-71. (Coleção Nóz – Caderno Livre).

FRIN, L. E. Épica, em perspectiva, miscigenada e malandra: mergulhos em processos criativos da Cia. Livre e da Cia. Teatro Balagan trazem à tona forma de produção do sujeito teatro de grupo paulistano. 2017. 266 f. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2017. Disponível em: https://goo.gl/SJ88kc. Acesso em: 9 set. 2017.

______. Também sobre gêneros. In: ROMANO, L. (org.). Maria que virou Jonas ou a força da imaginação. São Paulo: Cia. Livre, 2015. p. 47-53. (Coleção Nóz – Caderno Livre).

MONTAIGNE, M. E. Ensaios. 2. ed. Brasília, DF: UnB; Hucitec, 1987.

OSTROWER, F. Criatividade e processos de criação. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 3. ed. São Paulo: Global, 2015.

ROSENFELD, A. O teatro épico. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

SÃO PAULO (Município). Lei nº 13.279, de 8 de janeiro de 2002. Institui o “Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo” e dá outras providências. Diário Oficial do Município de São Paulo, São Paulo, 9 jan. 2002. p. 1. Disponível em: https://goo.gl/Aj57tY. Acesso em: 11 dez. 2017.

STALLONI, Y. Os gêneros literários. Rio de Janeiro: Difel, 2007.

SZONDI, P. Teoria do drama moderno (1880-1950). São Paulo: Cosac Naify, 2001.

TEIXEIRA, I.; ROMANO, L.; MINA, S. (org.). Cia. Livre: experimentos e processos 2000-2011. São Paulo: Cia. Livre, 2012. (Coleção Nóz – Caderno Livre).

THAÍS, M. Na cena do Dr. Dapertutto: poética e pedagogia em V. E. Meierhold, 1911 a 1916. São Paulo: Perspectiva, 2009.

______. (org.). Balagan: Companhia de teatro. São Paulo: Cia. Teatro Balagan, 2014.

THAÍS, M.; PAULA, M. E sobre essa terra pasta uma cabra. In: CIA. TEATRO BALAGAN. Cabras – cabeças que voam, cabeças que rolam. São Paulo: Cia. Teatro Balagan, 2016. p. 5-7. (Programa de espetáculo).

Downloads

Publicado

2018-05-04

Como Citar

Frin, L. E. (2018). O épico, o perspectivismo, a miscigenação e a malandragem nas fricções entre o artista-pesquisador e o pesquisador-artista. Revista Aspas, 7(2), 112-125. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v7i2p112-125