Um olhar feminino sobre a performance Excesso, Pedras e Dores

Autores

  • Marcella Nunes Rodrigues Universidade Federal de Santa Maria
  • Gisela Reis Biancalana Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v10i1p38-56

Palavras-chave:

Performance Arte, Gênero, Intervenção Urbana, Autoetnografia

Resumo

Reflexões sobre o corpo e os espaços urbanos vem sendo foco de estudos a décadas precipitadas, também, pela intensa explosão demográfica detonada em meados do século XX. A arte, como campo de conhecimento, se debruça sobre estas questões refletindo, ainda, sobre a cadência das afetividades que podem arejar as relações humanas nesses contextos. O presente artigo busca edificar uma reflexão acerca da Performance intitulada Excesso, Pedras e Dores. O percurso investigativo foi concebido a partir de um olhar feminino das autoras em relação à experiência vivida que afetou a performer durante a ação realizada em um espaço alternativo. O procedimento de composição em arte foi sustentado pela abordagem metodológica autoetnográfica. A intervenção performativa no evento precipitou um espaço-tempo expandido ao viabilizar compartilhamentos de experiências singulares entre os participantes próprias das imbricadas ocupações empreendidas pela arte contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARJA, Wagner. INTERVENÇÃO/TERINVENÇÃO - A arte de inventar e intervir diretamente sobre o urbano, suas categorias e o impacto no cotidiano. Revista Rizoma.Net, 2002. Disponível em: https://mail.google.com/mail/u/0/#inbox?projector=1. Acesso em: 06 jun. 2019.

BASMAUN, Ricardo. “E agora?”. Colaboração. s/v, p. 84 – 93, 1995.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

FORTIN, Sylvie. Contribuições possíveis da Etnografia e da auto-etnografia para a pesquisa na prática artística. Revista Cena, n. 7, 2009.

GOLDBERG. RoseLee. A arte da performance: do futurismo ao presente. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

NEGT, Oskar. Cidade e Cultura: esfera pública e transformação urbana. (org. Vera Pallamin) São Paulo: Estação Liberdade, 2002.

SANTAELLA, Lucia. Culturas e Artes do Pós Humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, vol. 16, n 2, Porto Alegre, 1990.

TAYLOR, Diana. Introducción Performance, teoria y práctica. In: TAYLOR, Diana; FUENTES, Marcela (Edits.). Estudiosavanzados de performance. México: Fondo de Cultura Económica, 2011.

VERSIANI, Daniela Beccaccia. Autoetnografia: uma alternativa conceitual. Porto Alegre: Letras, 2002.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

Rodrigues, M. N., & Biancalana, G. R. (2020). Um olhar feminino sobre a performance Excesso, Pedras e Dores. Revista Aspas, 10(1), 38-56. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v10i1p38-56

Edição

Seção

Artigos