Características micromorfológicas e químicas das ceras cuticulares de Cleistes (Orchidaceae, Pogonieae)

Autores

  • Emerson R. Pansarin Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto; Departamento de Biologia
  • Antonio Salatino Universidade de São Paulo; Instituto de Biociências; Departamento de Botânica
  • Alberto S. Pereira Ghent University; Pfizer Analytical Research Centre

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9052.v26i2p79-91

Palavras-chave:

Orchidaceae, Cleistes, wax micromorphology, chemotaxonomy

Resumo

A micromorfologia das ceras cuticulares em folhas de 13 espécies de Cleistes Rich. ex Lindl. (Vanilloideae: Pogonieae) sul-americanas foram observadas com o auxílio de um microscópio eletrônico de varredura. Os componentes químicos das ceras epicuticulares de 11 espécies foram identificados por cromatografia gasosa. Todas as análises foram feitas com amostras coletadas no campo, a partir de populações nativas, nas regiões sul, sudeste, nordeste e centro-oeste do Brasil. A micromorfologia das ceras epicuticulares variou desde depósitos amorfos até pequenas placas paralelamente orientadas. A presença de ceras epicuticulares formando placas é mais comum em plantas que ocorrem em ambientes secos. Ácidos alquílicos são os principais constituintes das ceras epicuticulares da maioria das espécies do gênero. Álcoois alquílicos predominam em outras espécies e alcanos são os principais constituintes das ceras de uma das espécies. Ésteres alquílicos, mono-glicerídeos e esteróis são encontrados em pequenas quantidades, e não estão presentes em todas as espécies. O ácido hexadecanóico ou o octadecanóico são os homólogos principais de ácidos alquílicos; em relação à distribuição de álcoois alquílicos, predominam octacosanol e triacontanol; pentacosano, heptacosano, octacosano, nonacosano e hentriacontano predominam nas distribuições de homólogos alcanos. De acordo com nossos dados não existe correlação entre a composição química e a micromorfologia das ceras. A posição dos estômatos, distribuídos por toda a face adaxial ou em ambas as superfícies da folha, a micromorfologia e a composição química das ceras epicuticulares não possuem correlação com a filogenia do grupo. Por outro lado, todas essas características podem ser usadas na caracterização e distinção entre as espécies do gênero.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Downloads

Publicado

2008-12-01

Edição

Seção

Série

Como Citar

PANSARIN, Emerson R.; SALATINO, Antonio; PEREIRA, Alberto S. Características micromorfológicas e químicas das ceras cuticulares de Cleistes (Orchidaceae, Pogonieae) . Boletim de Botânica, São Paulo, Brasil, v. 26, n. 2, p. 79–91, 2008. DOI: 10.11606/issn.2316-9052.v26i2p79-91. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/bolbot/article/view/11748.. Acesso em: 15 jun. 2024.