Espécies Congenéricas da Mata e do Cerrado: Teor de Proteínas e Compostos Fenólicos

Autores

  • E.M. Varanda Departamento de Botânica USP
  • C.V. Ricci Departamento de Botânica USP
  • I.M. Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9052.v17i0p25-30

Palavras-chave:

, phenols, proteins, lignins, cerrado and forest

Resumo

Procurou-se verificar as possíveis variações no controle do acúmulo de fenilpropanóides comparativamente em espécies congenéricas de cerrado e de mata, nas estações seca e chuvosa. Para tanto foram analisados os teores de fenóis, ligninas e proteínas em folhas. Os resultados mostraram uma tendência a um maior acúmulo de compostos fenólicos e de ligninas nas espécies do cerrado e de proteínas nas espécies de mata com  algumas exceções. Os resultados concordam em parte com a hipótese inicial de que a reposição dos materiais perdidos por ataque de fitófagos é mais dispendiosa para a vegetação que se desenvolve em solos pobres, havendo então um desvio da via hiossintética, neste caso a via do ácido chiquímico, para a produção de compostos de defesa. Demonstraram que seria de interesse a análise de maior número de espécies a fim de se obter dados suficientes para a interpretação do comportamento em nível de famílias, gêneros, espécies ou populações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1998-06-27

Como Citar

Varanda, E., Ricci, C., & Brasil, I. (1998). Espécies Congenéricas da Mata e do Cerrado: Teor de Proteínas e Compostos Fenólicos. Boletim De Botânica, 17, 25-30. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9052.v17i0p25-30

Edição

Seção

Artigos