Desenvolvimento anatômico do sistema subterrâneo de Oxalis latifolia Kunth (Oxalidaceae). I. Stem system

Autores

  • Maria Emilia Estelita Teixeira Universidade de São Paulo. Instituto de Biociências. Departamento de Botânica

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9052.v6i0p9-25

Palavras-chave:

Oxalis latifolia, Sistema caulinar, Desenvolvimento anatômico

Resumo

O estolão muito jovem de O. latifolia já apresenta início de separação em duas regiões distintas: a terminal ou bulbilho incipiente e a basal ou porção delgada do estolão. No eixo do bulbilho, a diferenciação dos tecidos vasculares realiza-se a partir de cordões longitudinais de procâmbio que acabam formando um cilindro contínuo, preenchido pela medula. Para cada escama dirigem-se três feixes e o traço do feixe central deixa uma lacuna; posteriormente, o eixo forma estrutura secundária. As escamas possuem três ou cinco feixes imersos num parênquima amilífero e, entre cada feixe e a epiderme da face abaxial, ocorrem cavidades secretoras lisígenas, com conteúdo tânico. nas escamas com cinco feixes, os dois próximos à margem, parecem pertencer a estípulas que se soldaram. A porção delgada do estolão tem estrutura caulinar, porém, o córtex é bastante desenvolvido e a endoderme assemelha-se à da raiz. Com o início da estrutura secundária, formam-se, no córtex, faixas longitudinais, curtas, de felogênio, que dão origem a uam periderme descontínua; posteriormente, há formação de uma periderme contínua, a partir de um felogênio uniforme, situado em camadas mais profundas do córtex.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Downloads

Publicado

1978-10-01

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

TEIXEIRA, Maria Emilia Estelita. Desenvolvimento anatômico do sistema subterrâneo de Oxalis latifolia Kunth (Oxalidaceae). I. Stem system. Boletim de Botânica, São Paulo, Brasil, v. 6, p. 9–25, 1978. DOI: 10.11606/issn.2316-9052.v6i0p9-25. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/bolbot/article/view/85282.. Acesso em: 14 jul. 2024.