O próprio do desejo: a emergência da diferença extensiva entre os viventes (Aikewara, Pará)

Autores

  • Orlando Calheiros Pontifícia Universidade Católica - Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v24i24p487-504

Palavras-chave:

Etnologia, Antropologia filosófica, Tupi-Guarani, Corpo, Gênero

Resumo

Para os Aikewara, povo Tupi-Guarani do sudeste do Pará, todo corpo
tem o seu caminho (apé), algo que lhe é próprio, que o define de uma maneira
profunda. Homem (akuma’é), ou mulher (kusó) é aquele que caminha enquanto
tal, que percorre o caminho que é próprio desse tipo de corpo. Contudo, o caminho
é menos um destino do que uma trilha que pouco a pouco se inscreve no
seio da floresta, como diziam os próprios Aikewara: o caminho de um corpo não
está dado e por isso mesmo pode ser desviado. O que se passa, portanto, quando
um homem se desvia do caminho que lhe era próprio e “avança” como mulher?
Isto é, o que acontece quando este se comporta como uma mulher? Com efeito,
a finalidade deste texto é apresentar ao leitor o esboço de uma ontologia na qual,
para todos os fins, um corpo pode vir a se tornar outro, em que um homem pode
vir a se tornar efetivamente uma mulher e vice-versa. Para tanto, tomamos como
exemplo a leitura que a filosofia aikewara faz do desejo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Orlando Calheiros, Pontifícia Universidade Católica - Rio de Janeiro

Pós-doutorado FAPERJ no departamento de Filosofia da Pontífica Universidade Católica (PUC-Rio).

Downloads

Publicado

2016-06-17

Como Citar

Calheiros, O. (2016). O próprio do desejo: a emergência da diferença extensiva entre os viventes (Aikewara, Pará). Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 24(24), 487-504. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v24i24p487-504

Edição

Seção

Especial