Por amor e por direitos: as gramáticas do afeto e da política nas mobilizações públicas de familiares de autistas

Autores

  • Fernanda Nunes Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v25i25p222-245

Palavras-chave:

atuação política, autismo, deficiência, direitos, saúde

Resumo

O período entre 2009 e 2012 foi considerado um marco na história
das pessoas com autismo no Brasil devido à sanção da lei federal no 12.764/2012,
que reconheceu os autistas, para todos os efeitos legais, como pessoas com deficiência. A legislação é fruto do reconhecimento público de manifestações de pais e familiares, em um contexto de positivação do termo deficiência como instrumento político-identitário da “luta por direitos”. Este trabalho aborda as principais estratégias de visibilidade adotadas por movimentos de familiares de autistas no estado do Rio de Janeiro. Pretende-se responder, assim, aos seguintes quesitos: a) Quais processos e motivações permitem que uma questão privada se transforme em uma questão pública? b) Quais são os artifícios utilizados em nome de demandas “pró-autistas” e de que forma eles atuam na construção de políticas públicas voltadas ao segmento? A metodologia envolveu entrevistas com informantes qualificados e observação participante em eventos públicos, mobilizações e passeatas organizados por três grupos de pais de autistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Nunes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) e Doutoranda em Antropologia (PPGSA/UFRJ)

Downloads

Publicado

2017-10-02

Como Citar

Nunes, F. (2017). Por amor e por direitos: as gramáticas do afeto e da política nas mobilizações públicas de familiares de autistas. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 25(25), 222-245. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v25i25p222-245

Edição

Seção

Artigos e Ensaios