Esgotos, relatórios e arqueologia: etnografando processos de licenciamento ambiental para o saneamento básico

  • Marcus Antonio Schfino Wittmann Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Infraestrutura, Relatórios, Burocracia, Licenciamento Ambiental, Arqueologia

Resumo

O saneamento básico, direito universal previsto por lei, não é constituído apenas de canos, estações de tratamento, medidores, válvulas dentre outras partes materiais. Essa infraestrutura é também um terreno político, onde diferentes interesses, agentes, documentos, burocracias e saberes científicos estão emaranhados. O objetivo deste artigo é pensar a relação entre infraestrutura, no caso o saneamento básico voltado para tratamento de esgoto, e o fazer científico. Analisaremos processos referentes às pesquisas arqueológicas para o licenciamento ambiental desse tipo de empreendimento mostrando como as diferentes esferas estatais, trâmites burocráticos, preocupações e interesses variados influenciam e são influenciados por esse jogo entre infraestrutura e ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Antonio Schfino Wittmann, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul
Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pesquisador associado do Núcleo de Antropologia das Sociedades Indígenas e Tradicionais (NIT) e do Laboratório de EtboloEtn e Arqueologia (LAE) da mesma Universidade.
Publicado
2018-06-19
Como Citar
Wittmann, M. A. (2018). Esgotos, relatórios e arqueologia: etnografando processos de licenciamento ambiental para o saneamento básico. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 26(1), 150-167. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/129313
Seção
Artigos e Ensaios