Revisitando conceitos antropológicos clássicos em um museu imaginado

  • Giovana Acacia Tempesta Universidade de Brasília
  • João Paulo Siqueira de Araújo Universidade de Brasília
  • Diego Rodrigues de Loiola Universidade de Brasília
Palavras-chave: história da antropologia, diversidade cultural, museus

Resumo

O presente trabalho consiste em um exercício de imersão no fictício “museu da antropologia” criado por nós. Trata-se de um convite para uma aproximação imaginosa aos conceitos e perspectivas formuladas por antropólogos europeus e norte-americanos no período compreendido entre 1870 e 1950. O artigo ressalta ainda a importância dos museus na contemporaneidade, em termos da promoção de reflexões sobre o valor das diferenças humanas e, por conseguinte, pretende contribuir para o desenvolvimento de uma atitude de respeito perante as diferentes culturas, povos, grupos sociais e modos de estar no mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovana Acacia Tempesta, Universidade de Brasília
Sou doutora em Antropologia Social pela Universidade de Brasília. Atualmente estou vinculada ao PPGAS/DAn/UnB como pesquisadora-colaboradora. No Mestrado pesquisei as práticas de resguardo de parto e menstruação entre os povos Wapichana e Macuxi, em Roraima. Desde 2015 meu interesse se voltou para a antropologia do parto e, de modo mais amplo, para a antropologia da saúde, com foco nos temas da corporalidade, noção de pessoa e diferentes concepções de saúde e bem-estar.  Meu currículo completo pode ser acessado no seguinte endereço eletrônico: http://lattes.cnpq.br/1886467002421810
Publicado
2019-12-04
Como Citar
Tempesta, G., de Araújo, J. P., & de Loiola, D. (2019). Revisitando conceitos antropológicos clássicos em um museu imaginado. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 28(2), 47-66. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v28i2p47-66
Seção
Artigos e Ensaios