Conhecendo deuses, doenças de branco e fezes de gavião-real: notas sobre aspectos classificatórios de bichos-de-pena entre os Kujubim em Rondônia

Autores

  • Gabriel Sanchez Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe157264

Palavras-chave:

Kujubim;, Rondônia;, Etnologia Indígena, Relações humano-animal, Conhecimento

Resumo

O presente artigo diz respeito aos conhecimentos sobre os seres que nossa ciência biológica classifica como “aves” entre os Kujubim (Rondônia), a partir de suas práticas e perspectivas intelectuais, materiais e semióticas. Sendo assim, partindo das relações entre bichos-de-pena e os Kujubim, pretendo demonstrar como opera uma matriz classificatória entre o grupo, isto é, as operações intelectuais e práticas envolvidas nestas “classificações”, explorando como o conhecimento desses seres se constitui, se adquire e os organiza em determinadas categorias. Neste sentido, através do modo como os Kujubim se relacionam com as “aves”, pretendo contribuir para os estudos animais (DEMELLO, 2012; BEVILAQUA & VANDER VELDEN, 2016) partindo da seguinte questão: o que a análise do “sistema” de classificação dos Kujubim acerca das “aves” revela sobre as relações semióticas entre humanos e animais? E, ainda, o que essas relações podem nos revelar sobre os aspectos das próprias classificações e como elas se fundamentam?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Sanchez, Universidade Federal de São Carlos

Graduação em Ciências Sociais (2016), com ênfase em Antropologia, pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e mestrado em Antropologia Social (2019) pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da mesma instituição. Atua como membro do Laboratório de Etnologias Transespecíficas (LETS) e é membro do grupo de estudos HUMANIMALIA: Antropologia das relações humano-animais.

Referências

ALEIXO, Alexandre. (2007). “Conceitos de espécie e o eterno conflito entre continuidade e operacionalidade: uma proposta de normatização de critérios para o reconhecimento de espécies pelo Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos”. Revista Brasileira de Ornitologia, vol.15, n.2. pp.297-310.

BERLIN, Brent. (1992). Ethnobiological classification: principles of categorization of plants and animals in traditional societies. New York: Princeton University Press.

BEVILAQUA, Ciméia; VANDER VELDEN, Felipe. (orgs). (2016). Parentes, vítimas, sujeitos: perspectivas antropológicas sobre a relação entre humanos e animais. São Carlos: EDUSFCar/ Curitiba: EDUFPR.

CABRAL DE OLIVEIRA, Joana. (2006). Classificação em cena: algumas formas de classificação das plantas cultivadas pelos Wajãpi do Amapari (AP). Dissertação de mestrado. São Paulo: PPGAS/USP.

CARRARA, Eduardo. (1997). Tsi tewara – Um voo sobre o cerrado Xavante. Dissertação de Mestrado. São Paulo: PPGAS/USP.

DeMELLO, Margo. Animal and society: an introduction to human/animal studies. New York: Columbia University Press, 2012.

DESCOLA, Phillipe. (1986). La selva culta: Simbolismo y praxis en la ecología de los Achuar. Quito: Ed. Abya Yala.

DESCOLA, Phillipe. (1992). “Societies of Nature and Nature of Society”. In: KUPER, Adam. (ed.) Conceptualizing Society. London/New York: Routledge.

DESCOLA, Phillipe. (1998). “Estrutura ou sentimento: A relação com o animal na Amazônia”. Mana, vol.4, n.1. pp.23-45

DESCOLA, Phillipe. (2006). “Beyond Nature and Culture”. Proceedings of the British Academy, v.139. pp. 137-155.

DURAN, Iris Rodrigues. (2000). Descrição Fonética e Lexical do Dialeto (Kujubim) da língua Moré. Dissertação de mestrado. Guajará-Mirim: PPG-Linguística/UFRR.

FARIAS, Gilmar Beserra de; ALVES, Ângelo Chaves. (2007). “Aspectos históricos e conceituais da etnoornitologia”. Biotemas, v. 20, n. 1, p 91-100.

FAUSTO, Carlos. (2008). “Donos demais: Maestria e Domínio na Amazônia”. Mana, vol.14, n.2, p. 329-366.

GALLOIS, Dominique Tilkin (org.). (2005). Redes de relações nas Guianas. São Paulo: Associação Editorial Humanitas/FAPESP.

INGOLD, Tim. (1994). Whats is an animal? London: Routledge.

JENSEN, Arthur. (1988). Sistemas indígenas de classificação de aves: aspectos comparativos, ecológicos e evolutivos. Tese de doutorado. Campinas: PPG-Eco/Unicamp.

KIRKSEY, Eben; HELMREICH, Stefan. (2010). “The emergence of multispecies ethnography”. Cultural Anthropology, v. 25, n.4, p. 545–576.

LATOUR, Bruno. (1994). Jamais Fomos Modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34.

LÉVI-STRAUSS, Claude. (2005). O Pensamento Selvagem. Rio de Janeiro: Papirus.

LIMA, Taniza Stolze. (2002). “O que é um corpo?”. Religião e Sociedade, vol.22, n.1, p. 09-19.

MALDI, Denise. (1991). “O Complexo Cultural do Marico: Sociedades Indígenas dos Rios Branco, Colorado e Mequens, afluentes do médio Guaporé”. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, serie Antropologia, vol.7, n.2

NEMO, François., GRENAND, Françõise, GRENAND, Pierre & CRISTINOI, Antonia. (2017). “Etnosemântica das classificações animais – exemplos de algumas línguas amazônicas”. In: MARCHAND, Guillaume & VANDER VELDEN, Felipe (orgs.). Olhares cruzados sobre as relações entre humanos e animais silvestres na Amazônia. Manaus: EDUA.

POSEY, Darrel. (1987). “Introdução”. In: RIBEIRO, Darcy. Suma etnológica brasileira. Edição atualizada do Handbook of South America. Volume 1 – Etnobiologia. Vários autores. Ed. Vozes: Petrópolis.

SOARES-PINTO, Nicole. (2009). Do poder do sangue e da chicha: os Wajuru do Guaporé (Rondônia). Dissertação de mestrado. Curitiba: PPGAS/UFPR.

SOARES-PINTO, Nicole. (2014). Entre as teias do Marico: parentes e pajés djeoromitxi. Tese de doutorado: Brasília: PPGAS/UnB.

VANDER VELDEN, Felipe. (2010) Tupi em Rondônia: diversidade, estado do conhecimento e proposta de investigação. Revista Brasileira de Linguística Antropológica. Vol. 2, n. 1.

VANDER VELDEN, Felipe. (2012). Inquietas Companhias: sobre os animais de criação entre os Karitiana. São Paulo: Alameda.

VANDER VELDEN, Felipe. (2015). “Apresentação ao Dossiê. Animalidades Plurais”. R@u – Revista de Antropologia da UFSCar, vol.7, n.1.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. (2002). “Perspectivismo e o Multinaturalismo na América Indígena”. In: A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. (2004). “Perspectival Anthropology and the Method of Controlled Equivocation”. Tipití vol.2, n.1 p. 3-22.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Sanchez, G. (2020). Conhecendo deuses, doenças de branco e fezes de gavião-real: notas sobre aspectos classificatórios de bichos-de-pena entre os Kujubim em Rondônia. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(2), e157264. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe157264

Edição

Seção

Artigos e Ensaios

Dados de financiamento