Capturando sinais vitais pelo seu smartphone: uma tecnologia de reconhecimento facial para saúde

Autores

  • Isabela Crispim Brito Furtado Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175204

Palavras-chave:

Reconhecimento facial, Coronavírus, Monitoramento, Saúde

Resumo

Em Belo Horizonte, capital mineira do país, uma tecnologia que promete monitorar os sinais vitais de uma pessoa através da câmera de celular foi implementada no atendimento a infectados pelo coronavírus no Sistema Público de Saúde – SUS. A partir desse caso, esse artigo procura investigar a relevância das tecnologias de reconhecimento facial para o atendimento à saúde. A partir da rede de relações sob as quais o aplicativo “Monitoramento de Sinais Vitais PBH” foi implementado, busco levantar de que maneira os responsáveis pela ação, os quais apresentarei ao longo do trabalho, manifestam (ou não) seus interesses em torno do vírus e das pessoas que são por ele infectadas. Sobretudo, ainda, de que maneira eles atuam diante das intempéries na escalada pelo progresso, elaborando estratégias para uma nova – o que não significa dizer inesperada – crise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Crispim Brito Furtado, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Comunicação Social com graduação em Antropologia pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

BINAH.AI. Combat the Spread of COVID-19 with REAL-TIME, REMOTE Video-based Vital Signs Monitoring. Disponível em: <https://www.binah.ai/industry-digital-health-covid-19/>. Acesso em 19 de setembro de 2020.

BUCHER, Taina. 2018. If... then: Algorithmic power and politics. Londres: Oxford University Press.

CMF – Conselho Federal de Medicina. 2002. RESOLUÇÃO Nº 1.643, DE 7 DE AGOSTO DE 2002 – Define e disciplina a prestação de serviços através da Telemedicina. Brasília: Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior.

CMF – Conselho Federal de Medicina. 2018. RESOLUÇÃO Nº 2.227, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2018 – Define e disciplina a telemedicina como forma de prestação de serviços médicos mediados por tecnologias. Brasília: Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior.

CMF – Conselho Federal de Medicina. 2020. OFÍCIO CFMNº1756/2020 – COJUR. Brasília.

FASSIN, D. 2012. O sentido da saúde: antropologia das políticas da vida. In: SAILLANT, F.; GENEST, S. (Org.). Antropologia médica: ancoragens locais, desafios globais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, p. 375-390.

FIOCRUZ, Portal. 2020. Covid-19: Pesquisa aponta necessidade de investir em APS. Por Filipe Leonel, 17/08/2020. Disponível em: <https://portal.fiocruz.br/noticia/covid-19-pesquisa-aponta-necessidade-de-investir-em-aps>. Acesso em: 19 de setembro de 2020.

GILLESPIE, Tarleton. 2018. A relevância dos algoritmos. Parágrafo, vol. 6, n. 1, p. 95-121.

KANE, Alex. 2016. Como Israel se tornou um centro de tecnologia e vigilância. The Intercept Brasil. Disponível em: <https://theintercept.com/2016/10/18/como-israel-se-tornou-um-centro-de-tecnologia-de-vigilancia/?comments=1#comments>. Acesso em: 19 de setembro de 2020.

PBH – Prefeitura de Belo Horizonte. 2020. Consulta on-line para coronavírus. Belo Horizonte: PBH. Disponível em: <https://prefeitura.pbh.gov.br/saude/coronavirus>. Acesso em: 19 de setembro de 2020.

RIVERA CUSICANQUI, Silvia. 2018. Un mundo ch’ixi es posible. Ensayos desde un presente en crisis. Buenos Aires: Tinta Limón.

SARTI, Thiago Dias et al. 2020. Qual o papel da Atenção Primária à Saúde diante da pandemia provocada pela COVID-19?. In: Epidemiologia e Serviços de Saúde, vol. 29, n. 2. DOI https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000200024.

SEGATA, Jean. 2017. O Aedes aegypti e o digital. Horizontes antropológicos, vol. 23, n. 48, p. 19-48. DOI http://dx.doi.org/10.1590/s0104-71832017000200002.

SEGATA, Jean. 2020. Covid-19, biossegurança e antropologia. Horizontes antropológicos, vol. 26, n. 57, p. 275-313. DOI https://doi.org/10.1590/s0104-71832020000200010.

SELINGER, Evan; HARTZOG, Woodrow. 2020. The Inconsentability of Facial Surveillance. SSRN: https://ssrn.com/abstract=3557508.

STENGERS, Isabelle. 2015. No tempo das catástrofes – resistir à barbárie que se aproxima. Tradução de Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Cosac Naify.

VALE. 2020. Desafio COVID-19. Disponível em: <http://www.vale.com/brasil/pt/sustainability/paginas/covid-19-desafio.aspx>. Acesso em: 19 de setembro de 2020.

VALENZUELA, Fernando; SIBRIAN, Nairbis. 2019. A Lógica do Trabalho Moral na Telemedicina: Disputas Sobre a Legitimidade das Políticas de Saúde Digital. In: Psicología, Conocimiento y Sociedad, vol. 9, n. 2, p. 188-203. DOI http://dx.doi.org/10.26864/pcs.v9.n2.11.

VAN DIJCK, José. 2017. Confiamos nos dados? As implicações da datificação para o monitoramento social. Matrizes, São Paulo, vol. 11, n. 1. p. 39-59.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Furtado, I. C. B. (2020). Capturando sinais vitais pelo seu smartphone: uma tecnologia de reconhecimento facial para saúde. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(2), e175204. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175204

Edição

Seção

Especial