Desconfinando ideias: reflexões sobre mídias digitais e a circulação do conhecimento antropológico a partir do podcast

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175301

Palavras-chave:

podcast, divulgação científica, redes sociotécnicas

Resumo

Na última década a internet tem ocupado um espaço importante e se tornado uma figura cada vez maior na sociabilidade brasileira. Ainda que marcada por assimetrias e desigualdades na acesso e uso pleno das plataformas, dispositivos e recursos do digital, tem se mostrado como propulsor para ideias e discussões. O processo inclui a difusão e popularização de mídias digitais, como o podcast. Este artigo discute as possibilidades de utilização do podcast na experiência de divulgação e comunicação científica em antropologia. Partimos da experiência de produção do podcast [retirado para desidentificação] para avaliar dois aspectos: a circularidade entre mídias que constituem parte de uma rede sociotécnica, e a presença do digital como mobilizador de afetos nas e a partir das mídias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CESARINO, Leticia. (2019). “Identidade e representação no bolsonarismo: corpo digital do rei, bivalência conservadorismo-neoliberalismo e pessoa fractal. Revista de Antropologia, vol. 62, n.3, São Paulo, pp.530-
CGI - Comitê Gestor da Internet no Brasil. (2019). TIC Domicílios: pesquisa sobre o uso de tecnologias da informação e comunicação em municípios brasileiros - 2018. São Paulo: CGI-BR.
FRANÇA, Andressa. (2015). Divulgação Científica no Brasil: espaços de interatividade na Web. Dissertação (Mestre em Ciência, Tecnologia e Sociedade) 136p. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos.
FLEISCHER, Soraya; MANICA, Daniela. (2020). “Ativando a escuta em tempos pandêmicos”. Boletim Ciências Sociais e o novo coronavírus - edição especial n.78. São Paulo: Anpocs.
FOUCAULT, Michel. (1997). História da sexualidade I: A vontade de saber., tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal.
HINE, Christine. (2007). Multi-Sited Ethnography as a middle range methodology for contemporary STS. Science, Technology, & HumanValues, Vol. 32, No. 6, pp. 652-671.
HINE, Christine. (2005). Virtual Methods: Issues in Social Research on the Internet. New York: Berg Publishers.
KALIL, Isabela. (2018). Quem são e no que acreditam os eleitores de Jair Bolsonaro. Relatório final de pesquisa. São Paulo: FESP-SP.
KIM, Joon Ho. (2004). Cibernética, ciborgues e ciborgues e ciberespaço: Notas sobre as origens da cibernética e sua reinvenção cultural. Horizontes Antropológicos, vol.10, n.21, Porto Alegre, p.199-219.
LATOUR, Bruno. (2012). Reagregando o social: uma introdução à teoria Ator-Rede. Salvador/Bauru: EdUFBA/EDUSC.
LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. (1997). A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.
LE BRETON, David. (2016). Antropologia dos Sentidos. Petrópolis: Vozes.
LUNDSTRÖM, Markus; LUNDSTRÖM, Tomas Poletti. (2020). Podcast ethnography. International Journal of Social Research Methodology, vol.23, n.6. pp.1-11.
MARTINS, Andreia de Sousa. (2013). Plateias da Morte: o fim da vida em comunidades e Velórios Virtuais. Dissertação de mestrado em Antropologia. João Pessoa: PPGA/UFPB.
MCLUHAM, Marshall; FIORE, Quentin. (2018). O meio é a massagem. São Paulo: Ubu.
MERLEAU-PONTY, Maurice. (1999). A fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes.
MILLER, Daniel; SLATER, Don. (2004). Etnografia on e off-line: cibercafés em Trinidad. In: Horizontes Antropológicos, vol.10, n.21. Porto Alegre: p.41– 65.
NEMER, David. (2019). “Repensando as desigualdades digitais: as promessas da web 2.0 para os marginalizados”. Tecnologia e Sociedade, vol.15, n.35. Curitiba, pp.170-193.
PINHEIRO, Patrícia dos Santos; SANTOS, Rita de Cássia Melo.(2020). “Observatório Antropológico: Mapeamento o fortalecimento das ações de combate ao Covid-19 na Paraíba (PB), Nordeste do Brasil”. RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 19, n. 55, abril de 2020. Suplemento Especial, pp. 101-111, maio de 2020.
PINK, Sarah; HORST, Heather; POSTILL, John; HJORTH, Larissa; LEWIS, Tania; TACCHI, Jo. (2016). Digital Ethnography: Principles and Practice. Sage Publications.
QUÉAU, Phelippe. (2008). O tempo do virtual. In: PARENTE, André. Imagem-Máquina – A era das tecnologias do virtual. Editora 34, 3ª ed., pp. 91-99.
RIFIOTIS, Theophilos. (2016). “Desafios Contemporâneos para a Antropologia do Ciberespaço: o lugar da técnica”. In.: SEGATA, Jean. THEOPHILOS, Rifiotis. Políticas Etnográficas no Campo da Cibercultura. ABA Publicações. Joinville, Ed. Letradágua, 2016, pp. 115- 128.
SEGATA, Jean; THEOPHILOS, Rifiotis. (2016). Políticas Etnográficas no Campo da Cibercultura. Joinville: ABA Publicações/ Ed. Letradágua.
SEGATA, Jean. (2020a). “Covid-19, biossegurança e antropologia”. Horizontes Antropológicos, ano 26, n. 57. Porto Alegre, p. 275-313.
SEGATA, Jean. (2020b). “A colonização digital do isolamento”. Cadernos de Campo. São Paulo, v. 29, n.1, p. 163-171, 2020a.
STRATHERN, Marilyn. (2014). “O efeito etnográfico”. In: ____. O efeito etnográfico e outros ensaios. Coordenação editorial: Florencia Ferrari. Tradução: Iracema Dulley, Jamille Pinheiro e Luísa Valentini. São Paulo: Cosac Naify, 2014. 576 p.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Pinheiro, P. dos S., Freitas, C. I., Maux, A., Sacco, S., & Machado, G. F. (2020). Desconfinando ideias: reflexões sobre mídias digitais e a circulação do conhecimento antropológico a partir do podcast. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(2), e175301. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175301

Edição

Seção

Especial