Estratégias para pensar o digital

Autores

  • Carolina Parreiras Universidade de São Paulo https://orcid.org/0000-0001-9741-4776
  • Beatriz Accioly Lins Universidade de São Paulo
  • Eliane Tânia de Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe181821

Palavras-chave:

Etnografia, Etnografia digital, internet

Resumo

Introdução ao dossiê "Estratégias para pensar o digital".

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATISTA, Júlia Vargas; SOUZA, Érica Renata de. (2020). Gênero, ciência e etnografia digital: Aproximações e potencialidades. Cadernos de Campo, vol.29, n.2 pp.e175199

Cabanzo, Maria Pilar; RODRIGUES, Daniela. (2020). Apuntes etnográficos sobre lo digital y la lengua en Maré, Rio de Janeiro. Cadernos De Campo, vol.29, n.2, pp.e175263.

CÁRDENAS, Jorge Alberto Meneses. (2020). Etnografía digital multisituada: jóvenes universitarios y universitarias estudiando desde casa en tiempos decovid-19. Cadernos De Campo, vol.29, n. 2, pp.e175177

FREITAS, Eliane Tânia; RAMOS, Jair de Souza. (2017). Etnografia digital. Revista Antropolítica, n. 42, p.8-15.

FREITAS, Eliane Tânia. (2017). Linchamentos virtuais: Ensaio sobre o desentendimento humano na internet. Revista Antropolítica, Niterói, n. 42, p.140-163.

FURTADO, Isabela Crispim Brito. (2020). Capturando sinais vitais pelo seu smartphone: uma tecnologia de reconhecimento facial para saúde. Cadernos De Campo, vol.9, n.2, pp.e175204

GEERTZ, Clifford. (2012). A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro, Editora LCT.

GONÇALVES, Ítalo Vinicius. (2020). Da etnografia multissituada à “plataformizada”: aproximações entre antropologia e estudos de plataforma. Cadernos de Campo, vol.29, n.2, pp.e175274

DOLCEMASCOLO, Agostina; DUGHERA, Lucila. (2020). Limitaciones y desafíos del quehacer de las y los cientistas sociales en el capitalismo informacional. Un abordaje desde el análisis de tres experiencias de investigación. Cadernos De Campo, vol.29, n.2, pp.e175285.

HINE, Christine. (2000). Virtual Ethnography. London: Sage.

HINE, Christine. (2015). Ethnography for the Internet. Embedded, embodied and everyday. London/New York: Bloomsbury, 2015.

HINE, Christine. (2020). A internet 3E: uma internet incorporada, corporificada e cotidiana. Cadernos De Campo, vol.29, n.2, p. e181370

LEMOS, Renato de Lyra. (2020). Guerrilha digital e produção de contranarrativas: resistindo aos impactos dos mecanismos de dominação de memória na internet. Cadernos De Campo, vol.29, n.2, pp. e175020.

LINS, Beatriz Accioly. (2019). Caiu na rede: mulheres, tecnologias e direitos entre nudes e (possíveis) vazamentos. Tese de Doutorado em Antropologia. São Paulo: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas/Universidade de São Paulo.

LINS, Beatriz Accioly. (2020). “A internet é o celular”: uma antropóloga entre smartphones, câmeras frontais e redes sociais. Internet & Sociedade, n.2, vol. 1.

MARCUS, George. (1995). Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography. Annual Review of Anthropology, vol. 25, p. 95 – 177.

MILLER, Daniel. (2017). “Digital Anthropology”. Serious Science, 24 de Agosto de 2017. http://serious-science.org/digital-anthropology-8688

MILLER, Daniel; SLATER, Don. (2004). Etnografia on e off-line: cibercafés em Trinidad. Horizontes Antropológicos, vol. 10, n. 21, 2004.

MILLER, Daniel; HORST, Heather. (Eds). (2012). Digital Anthropology. London/New York: Berg, 2012.

MONACO, Helena Motta. (2020). Quem cala consente? Ambientes digitais e suas implicações para a pesquisa antropológica. Cadernos De Campo, vol29, n.2, pp.e175295

PARREIRAS, Carolina. (2011). “Não leve o virtual tão a sério”? - uma breve reflexão sobre métodos e convenções na realização de uma etnografia do e no online. In: FERIANI, Daniela Moreno; CUNHA, Flávia Melo da; DULLEY, Iracema. (orgs). Etnografia, Etnografias. Ensaios sobre a diversidade do fazer antropológico. São Paulo: Annablume.

PARREIRAS, Carolina. (2012). Altporn, corpos, categorias e cliques: notas etnográficas sobre pornografia online. Cadernos Pagu, n. 38, p. 197– 222.

PARREIRAS, Carolina. (2017). Pornografias.com: as convenções do altporn. Revista Antropolítica. Niterói, n. 42.

PARREIRAS, Carolina; MACEDO, Renata M. (2020). Desigualdades digitais e educação: breves inquietações pandêmicas. In: GROSSI, Miriam; TONIOL, Rodrigo. (Orgs). Cientistas Sociais e o Coronavírus. São Paulo: ANPOCS, 2020.

PINHEIRO, Patrícia dos Santos; FREITAS, Camilla Iumatti; MAUX, Anatil; SACCO, Stephanie; MACHADO, Glauco Fernandes. (2020). Desconfinando ideias: reflexões sobre mídias digitais e a circulação do conhecimento antropológico a partir do podcast. Cadernos De Campo, vol., n.2, pp.e175301.

PIVA, Felipe Paes. (2020). Estratégias antropológicas incipientes para uma etnografia digital: uma discussão a partir de narrativas midiáticas sobre violências sexuais, de gênero, e trotes numa Faculdade de Medicina. Cadernos De Campo, vol.29, n.2, pp.e175324.

SANTOS, Sheila Cavalcante dos. (2020). Imersões, fluxos e desafios em uma etnografia no Tinder. Cadernos De Campo, vol.29, n.2, pp.e175168

VIEIRA JUNIOR, Luiz Augusto Mugnai. (2020). A imersão oculta em plataformas online: uma experiência antropológica a partir dos estudos de recepção. Cadernos De Campo vol.29, n.2, pp.e175275

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Parreiras, C., Accioly Lins , B. ., & de Freitas, E. T. . (2020). Estratégias para pensar o digital . Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(2), e181821. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe181821

Edição

Seção

Especial