Visão e o cheiro dos mortos: uma experiência etnográfica no Instituto Médico-Legal

Autores

  • Flavia Medeiros Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v23i23p77-89

Palavras-chave:

Etnografia, Mortos, Olfato, Visão, Instituto Médico-Legal.

Resumo

Neste artigo irei apresentar e analisar duas circunstâncias diferentes da “experiência etnográfica” que obtive ao realizar trabalho de campo no Instituto Médico-Legal do Rio de Janeiro (IML). A “primeira impressão” ao estar em contato com o campo e ver corpos mortos; e a “experiência revela- dora”, que ocorreu quando a pesquisa já estava em andamento, e me demonstrou como o cheiro é um elemento constitutivo das relações dos que circulam cotidianamente entres os corredores e salas do IML. Para tanto, acionando a percepção de dois sentidos humanos — a visão e o olfato —, analiso como no contexto pesquisado estes são ferramentas daqueles cuja principal atividade é a manipulação de corpos mortos (médicos legistas, papiloscopistas legistas e técnicos de necrópsia). Discuto ainda como, ao realizar trabalho de campo entre mortos, identifiquei as percepções visuais e olfativas como ferramentas metodológicas centrais para a reflexão da “experiên- cia etnográfica.” 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-12-31

Como Citar

Medeiros, F. (2014). Visão e o cheiro dos mortos: uma experiência etnográfica no Instituto Médico-Legal. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 23(23), 77-89. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v23i23p77-89

Edição

Seção

Artigos e Ensaios