[1]
T. V. Barros, “Nas tramas do crack. Etnografia da abjeção”, Cad. Campo (São Paulo 1991), vol. 24, nº 24, p. 585-590, jun. 2016.