[1]
F. Rente Neto e L. G. Furtado, “A ribeirinidade amazônica: algumas reflexões”, Cad. Campo (São Paulo 1991), vol. 24, nº 24, p. 158-182, jun. 2016.