Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo <p>A <strong>Cadernos de Campo – revista dos alunos de pós-graduação em antropologia social da USP</strong> - ISSN - 2316-9133 - é uma publicação semestral dedicada a divulgar trabalhos que versem sobre temas, resultados de pesquisas e modelos teórico-metodológicos de interesse para o debate antropológico contemporâneo e que possam contribuir no desenvolvimento de pesquisas em nível de pós-graduação, no país e no exterior. A revista aceita periodicamente contribuições nos seguintes formatos: artigos e ensaios inéditos, traduções, resenhas, entrevistas e produções estéticas.</p> <p>Criada em 1991, Cadernos de Campo é o resultado dos esforços continuados de alunas e alunos do programa de pós-graduação em antropologia social da Universidade de São Paulo na busca por produzir uma revista de qualidade e relevância para a debate acadêmico. Com o objetivo original de divulgar a produção do corpo discente do programa de pós-graduação em antropologia social da Universidade de São Paulo (PPGAS/USP), a revista tornou-se, ao longo desses anos, um importante periódico de abrangência nacional e internacional.</p> <p>ISSN: 0104-5679 (desde 1991)</p> <p>e-ISSN: 2316-9133 (desde 2012)</p> <p> </p> <p><strong>Acesso Rápido:</strong></p> <p> <a title="http://revistas.usp.br/cadernosdecampo/user/register" href="http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/user/register" target="_self">Registre-se</a>| <a title="http://revistas.usp.br/cadernosdecampo/about/submissions#onlineSubmissions" href="http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/about/submissions#onlineSubmissions" target="_blank" rel="noopener">Submissões</a>| <a title="http://revistas.usp.br/cadernosdecampo/about/editorialTeam" href="http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/about/editorialTeam" target="_self">Comissão Editorial</a>| <a title="http://revistas.usp.br/cadernosdecampo/issue/archive" href="http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/issue/view/11526">Número atual</a>|<strong> </strong><a title="http://revistas.usp.br/cadernosdecampo/issue/view/4181" href="http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/issue/view/10569/showToc">Todos os números</a></p> <p><br />A <strong>Cadernos de Campo </strong>possui seus metadados indexados nos seguintes bancos de dados nacionais e internacionais:<br /><br /><a title="http://www.periodicos.capes.gov.br/?option=com_pmetabusca&amp;mn=88&amp;smn=88&amp;type=p&amp;sfx=buscaRapida" href="http://www.periodicos.capes.gov.br/?option=com_pmetabusca&amp;mn=88&amp;smn=88&amp;type=p&amp;sfx=buscaRapida" target="_blank" rel="noopener">Portal de Periódicos da CAPES</a> | <a title="http://132.248.9.1:8991/F/62HYUMN53T2AMJKQ8ETV4R1US2KV5XRXTTSMKVENPJ3DII1J3R-29484?func=find-b&amp;request=cadernos+de+campo+s%C3%A3o+paulo&amp;find_code=WRE&amp;adjacent=N&amp;local_base=CLA01&amp;x=62&amp;y=9&amp;filter_code_1=WLN&amp;filter_request_1=&amp;filter_code_2=WYR&amp;filter_request_2=&amp;filter_code_3=WYR&amp;filter_request_3=" href="http://clase.unam.mx/" target="_blank" rel="noopener">CLASE</a> | <a title="http://www.latindex.unam.mx/buscador/resBus.html?palabra=+%09Cadernos+de+Campo+%28S%E3o+Paulo.+1991&amp;opcion=1&amp;Submit=Buscar" href="https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=21896" target="_blank" rel="noopener">Latindex</a> | <a title="http://www.sumarios.org/revistas/cadernos-de-campo-revista-dos-alunos-de-p%C3%B3s-gradua%C3%A7%C3%A3o-em-antropologia-social-da-usp" href="https://sumarios.org/revista/cadernos-de-campo" target="_blank" rel="noopener">Sumários.org</a> | <a title="http://ulrichsweb.serialssolutions.com.ezproxy1.library.arizona.edu/title/1358913317751/219764" href="http://ulrichsweb.serialssolutions.com.ezproxy1.library.arizona.edu/title/1358913317751/219764" target="_blank" rel="noopener">Ulrich’s</a> | <a title="http://seer.ibict.br/index.php?option=com_mtree&amp;task=viewlink&amp;link_id=2458&amp;Itemid=109" href="http://seer.ibict.br/index.php?option=com_mtree&amp;task=viewlink&amp;link_id=2458&amp;Itemid=109" target="_blank" rel="noopener">Ibict-SEER</a></p> Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas pt-BR Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) 0104-5679 <p>Autorizo a <strong>Cadernos de Campo - Revista dos Alunos de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de São Paulo (PPGAS-USP)</strong> a publicar o trabalho (Artigo, Ensaio, Resenha,Tradução, Entrevista, Arte ou Informe) de minha autoria/responsabilidade assim como me responsabilizo pelo uso das imagens, caso seja aceito para a publicação.<br><br>Eu concordo a presente declaração como expressão absoluta da verdade, também me responsabilizo integralmente, em meu nome e de eventuais co-autores, pelo material apresentado.<br><br>Atesto o ineditismo do trabalho enviado.</p> Covid-19 e a imaginação político-viral https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/170450 <p>O objetivo desse texto é tecer algumas relações que explicitam a construção de uma imaginação política em torno da pandemia deslanchada pelo novo coronavírus, mas que não se limita a ele, projetando-se em direção a outros imaginários no que tenho chamado de imaginação político-viral. Para início de conversa, portanto, é importante marcar que imaginação, aqui, não é tomada algo ilusório, mas sim como uma forma de consciência que aponta para caminhos reflexivos do próprio sujeito social.</p> Vitor Grunvald Copyright (c) 2021 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e170450 e170450 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe170450 Bolsonaro, Meio Ambiente, Povos e Terras Indígenas e de Comunidades Tradicionais https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/178663 <p>O texto efetua um breve balanço de tendências no governo Bolsonaro em relação ao meio ambiente, povos e terras indígenas e de comunidades tradicionais a partir de desenvolvimentos recentes na Amazônia e desde uma perspectiva histórica.</p> Henyo Trindade Barretto Filho Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e178663 e178663 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe178663 Amor em tempos de aplicativo: entrevista com a antropóloga Larissa Pelúcio https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175150 <p>Entrevista com Larissa Pelúcio</p> Mário Fellipe Fernandes Vieira Vasconcelos Larissa Maués Pelúcio Copyright (c) 2021 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175150 e175150 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175150 Estratégias para pensar o digital https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/181821 <p>Introdução ao dossiê "Estratégias para pensar o digital".</p> Carolina Parreiras Beatriz Accioly Lins Eliane Tânia de Freitas Copyright (c) 2021 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e181821 e181821 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe181821 A internet 3E: uma internet incorporada, corporificada e cotidiana https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/181370 <p>O artigo apresenta um panorama dos desafios enfrentados por etnógrafos que buscam entender atividades envolvendo a internet explorando tanto princípios metodológicos quanto estratégias práticas chegar a um acordo com a definição de sites de campo, as conexões entre online e offline e a natureza mutável da experiência corporificada. Os exemplos são extraídos de uma ampla gama de configurações, incluindo etnografias de instituições científicas, televisão, mídia social e redes locais de presentes.</p> Christine Hine Carolina Parreiras Beatriz Accioly Lins Copyright (c) 2021 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-01-27 2021-01-27 29 2 e181370 e181370 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe181370 Guerrilha digital e produção de contranarrativas: resistindo aos impactos dos mecanismos de dominação de memória na internet https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175020 <p>Este texto tem como premissa compreender o papel que as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC's) exercem em nossa sociedade a partir das perspectivas dos conflitos existentes entre a construção de memórias e a produção de conhecimento e os impactos provenientes das experiências da falha, do colapso tecnológico, do reparo e da exclusão digital, aliados aos mecanismos de controle do capitalismo de dados, como a regulação algorítmica, no processo de marginalização de diversos grupos sociais. Serão apresentadas também as táticas de guerrilha digital empreendidas por esses grupos e indivíduos com o intuito de promoverem as suas contronarrativas.</p> Renato de Lyra Lemos Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175020 e175020 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175020 Gênero, ciência e etnografia digital: Aproximações e potencialidades https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175199 <p>Considerando que a dicotomia online/offline não é capaz de contemplar as articulações e experiências de gênero e sexualidade em rede, uma vez que as fronteiras entre material/virtual podem se mesclar e repercutir entre si, este artigo discute o fazer etnográfico a partir da revisão de pesquisas de gênero e sexualidade em diálogo com a Antropologia da Ciência e da Tecnologia. O objetivo central deste artigo é refletir sobre as possibilidades etnográficas que vem sendo empregadas a partir do debate das redes de produção de ciências, tecnologias e saberes que propiciam a produção de gêneros e sexualidades e, portanto, de novos corpos e sujeitos. No intuito de mapear o que vem sendo discutido mais recentemente no cenário nacional, essa pesquisa teve foco nos anais de dois grandes eventos brasileiros (ReACT e RBA). Mais de 50 trabalhos foram identificados e analisados. Temas como hormonização e transsexualidade, experiências de maternidade, ciberfeminismos e ativismo nas redes, experiências relacionadas ao HIV, entre outros, foram bastante frequentes, e algumas abordagens etnográficas também foram identificadas. Assim, buscamos refletir sobre os desafios e caminhos possíveis para o fazer etnográfico cada vez mais tecnologicamente situado.</p> Júlia Vargas Batista Érica Renata de Souza Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175199 e175199 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175199 Imersões, fluxos e desafios em uma etnografia no Tinder https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175168 <p>Neste artigo trago um relato acerca da metodologia do trabalho de campo realizado no Tinder, aplicativo para celular que proporciona a busca afetivo-sexual <em>on-line, </em>quando da minha pesquisa para o Mestrado em Antropologia com usuários e usuárias do aplicativo. Assim como na prática etnográfica analógica, a etnografia em contextos digitais apresenta desafios, alguns dos quais próprios às relações estabelecidas através de tais ambientes, conforme vivenciei durante o fluxo da pesquisa, que envolveu a circulação por três capitais do país. Assim, discuto aspectos particularmente marcantes do percurso de campo que se relacionam, em grande medida, aos modos de fazer característicos dos usos desses aplicativos e que podem esbarrar em questionamentos sobre ética da pesquisa.</p> Sheila Cavalcante dos Santos Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175168 e175168 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175168 Estratégias antropológicas incipientes para uma etnografia digital: uma discussão a partir de narrativas midiáticas sobre violências sexuais, de gênero, e trotes numa Faculdade de Medicina https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175324 <p>Este artigo tem como base a pesquisa desenvolvida entre 2017 e 2018 com o propósito de entender como os atuais processos de disputa política em torno da significação de categorias de violências sexuais, de gênero e trotes têm sido apropriados e representados pela mídia hegemônica brasileira. Para isso, foi analisada a construção da narrativa midiática desses casos nas faculdades paulistas, principalmente na Faculdade de Medicina, que foram alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, em 2014. A repercussão midiática desses casos promoveu a nomeação pública de certas práticas como estupro, abuso e violência sexuais, práticas que, pouco tempo antes não eram necessariamente significadas desta forma. Buscou-se discutir não apenas os resultados obtidos, mas também estratégias possíveis para utilização do digital como campo de pesquisa antropológica e a construção de um arquivo digital como base de dados.</p> Felipe Paes Piva Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175324 e175324 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175324 Desconfinando ideias: reflexões sobre mídias digitais e a circulação do conhecimento antropológico a partir do podcast https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175301 <p>Na última década a internet tem ocupado um espaço importante e se tornado uma figura cada vez maior na sociabilidade brasileira. Ainda que marcada por assimetrias e desigualdades na acesso e uso pleno das plataformas, dispositivos e recursos do digital, tem se mostrado como propulsor para ideias e discussões. O processo inclui a difusão e popularização de mídias digitais, como o podcast. Este artigo discute as possibilidades de utilização do podcast na experiência de divulgação e comunicação científica em antropologia. Partimos da experiência de produção do podcast [retirado para desidentificação] para avaliar dois aspectos: a circularidade entre mídias que constituem parte de uma rede sociotécnica, e a presença do digital como mobilizador de afetos <em>nas </em>e <em>a partir</em> das mídias.</p> Patricia dos Santos Pinheiro Camilla Iumatti Freitas Anatil Maux Stephanie Sacco Glauco Fernandes Machado Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175301 e175301 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175301 Notas etnográficas sobre o digital e a língua na Maré, Rio de Janeiro https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175263 <p class="western" style="margin-bottom: 0in; line-height: 150%;" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span lang="pt-BR">Este artigo apresenta uma abordagem etnográfica das interações em um grupo de Whatsapp de um curso de Espanhol realizado na favela da Maré, no Rio de Janeiro. Essas interações são assumidas metodologicamente como rastros ou marcas visuais de identificação e apresentação de si dos integrantes do grupo. Ao analisar as interações, destaca-se a centralidade da língua na reprodução de relações de dominação. São descritas as mensagens trocadas, dando especial atenção àquelas referentes à elaboração conjunta de um dicionário Português / Espanhol. As reflexões suscitadas no grupo a partir dos verbetes coletados revelam interrogantes sobre a suposta neutralidade da língua tão presente em contextos de aprendizado de idiomas. Destaca-se a fluidez das práticas linguísticas – que vão além das dicotomias oral / escrito / </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span lang="pt-BR"><em>offline</em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span lang="pt-BR"> / </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span lang="pt-BR"><em>online</em></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span lang="pt-BR"> – e sua estreita relação com um espaço habitualmente associado à falta, pobreza e violência. Nesse sentido, o artigo reflete sobre as condições de acesso e usos de Internet na Maré a partir de um estudo de caso, propondo articulações entre trabalho antropológico, usos da língua e ambientes digitais.</span></span></span></p> Maria Pilar Cabanzo Danielly Rodrigues Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175263 e175263 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175263 Etnografia digital multilocalizada: jovens estudantes universitários estudando em casa nos dias de covid-19 https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175177 <p>O trabalho mostra uma etnografia digital multi-sited que liga as práticas e conhecimentos de jovens universitários da Universidad del Mar, para mostrar várias situações de escola em casa, articuladas com plataformas digitais durante a quarentena covid-19.</p> <p>Na introdução proponho como delimitei a investigação. Na segunda seção, apresento os jovens. Em seguida, compartilho as estratégias metodológicas que construí. Na quarta, exponho a temporalidade etnográfica. Posteriormente, aponto várias situações sócio-digitais de Huatulco. Nos próximos dois apresento experiências sobre desconexões e conexões situadas, bem como vários conhecimentos socio-digitais. Por fim, apresento algumas conclusões preliminares para situar este trabalho como parte de uma etapa do processo de investigação.</p> Jorge Alberto Meneses Cárdenas Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175177 e175177 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175177 Capturando sinais vitais pelo seu smartphone: uma tecnologia de reconhecimento facial para saúde https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175204 <pre class="western" style="margin-top: 0.3cm; margin-bottom: 0.3cm; line-height: 150%; text-align: justify;">Em Belo Horizonte, capital mineira do país, uma tecnologia que promete monitorar os sinais vitais de uma pessoa através da câmera de celular foi implementada no atendimento a infectados pelo coronavírus no Sistema Público de Saúde – SUS. A partir desse caso, esse artigo procura investigar a relevância das tecnologias de reconhecimento facial para o atendimento à saúde. A partir da rede de relações sob as quais o aplicativo “Monitoramento de Sinais Vitais PBH” foi implementado, busco levantar de que maneira os responsáveis pela ação, os quais apresentarei ao longo do trabalho, manifestam (ou não) seus interesses em torno do vírus e das pessoas que são por ele infectadas. Sobretudo, ainda, de que maneira eles atuam diante das intempéries na escalada pelo progresso, elaborando estratégias para uma nova – o que não significa dizer inesperada – crise.</pre> Isabela Crispim Brito Furtado Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175204 e175204 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175204 Da etnografia multissituada à “plataformizada”: aproximações entre antropologia e estudos de plataforma https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175274 <p>O objetivo deste artigo é discutir como as noções de “plataforma” e “plataformização” (da web e do social) podem nos ajudar a rever práticas etnográficas,&nbsp;especialmente aquelas realizadas em contextos online. Argumento que as aproximações dos&nbsp;campos da antropologia e da comunicação podem trazer impactos positivos às discussões de&nbsp;ambas as áreas. Para isso, apresentarei um breve panorama dos estudos de plataforma de&nbsp;modo a introduzir estas noções. O artigo se debruçará sobre algumas pesquisas que aliaram o<br>método etnográfico a tais estudos. A proposta é que eles nos permitam repensar o que&nbsp;chamamos de “campo etnográfico”, tal qual a ideia de “etnografia multissituada”, trazida por&nbsp;Marcus (1995) (comumente empregada em trabalhos antropológicos online), considerando&nbsp;seus desdobramentos ao ser friccionada à noção de plataformização. Conclui-se que, através&nbsp;da utilização desses conceitos, nossas teorias e práticas virtuais adquiram novas dinâmicas,&nbsp;contornos e significados.</p> Italo Vinicius Gonçalves Copyright (c) 2021 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-01-11 2021-01-11 29 2 e175274 e175274 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175274 Quem cala consente? Ambientes digitais e suas implicações para a pesquisa antropológica https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175295 <p>Este artigo propõe reflexões éticas e metodológicas a respeito de pesquisas em ambientes digitais. Ele aborda duas situações etnográficas, vivenciadas em temporalidades distintas e junto a grupos diferentes numa mesma plataforma digital, o Facebook. Seu objetivo é explicitar os percursos traçados no trabalho de campo e as negociações com os sujeitos da pesquisa que, em um dos casos, impediu a realização da etnografia naquele ambiente. Comparando as duas situações, argumento que as diferenças encontradas na obtenção do consentimento para a realização da pesquisa dizem respeito às diferenças nos usos e sentidos atribuídos pelos sujeitos aos ambientes digitais que eles ocupam.</p> Helena Motta Monaco Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175295 e175295 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175295 A imersão oculta em plataformas online: uma experiência antropológica a partir dos estudos de recepção https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175275 <p>A partir da experiência de um estudo antropológico que consistiu na confecção de uma pesquisa de doutorado sobre a recepção da transexualidade nas mídias digitais, o presente artigo tem como objetivo descrever sobre os procedimentos de imersão em plataformas on-line, do mesmo modo, refletir a prática e o comportamento on-line do/a antropólogo/a de ser um/a observador/a oculto/a digital. Para tal, descrevo de forma mais detalhada sobre como foi proceder durante quatro anos em campo on-line fornecendo reflexões sobre a observação antropológica no campo digital e seus artefatos de pesquisa para a sua realização. A sociedade e a cultura têm sido marcadas e intensificadas pelas mídias digitais; é o anúncio do digital constituindo a vida cotidiana. Frente a esse cenário, descrever o campo on-line, observar o digital e refletir sobre as relações sociais intermediadas por uma tela de computador ou de celular têm sido, cada vez mais, um exercício recorrente e desafiante para os estudos sócio- antropológicos.</p> Luiz Augusto Mugnai Vieira Junior Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175275 e175275 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175275 Limitações e desafios do trabalho dos cientistas sociais no capitalismo informacional: Uma abordagem a partir da análise de três experiências de pesquisa. https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175285 <p>O objetivo deste trabalho é resgatar e analisar três experiências de pesquisa para pensar os obstáculos, problemas e desafios que enfrentamos como cientistas sociais ao lidar com fenômenos relacionados às tecnologias digitais e à internet. Nesse sentido, propomos uma reflexão situada que coloca as características das tecnologias digitais e da internet em diálogo com alguns aspectos de nossa experiência como pesquisadores. Para fazer isso, nos concentramos em três aspectos: como delimitar o objeto, como acessar os dados e como coletar as informações. Além disso, tratamos de abordar um aspecto transversal aos anteriores que remete à questão ética de nos perguntarmos qual é o limite do que observamos e analisamos neste tipo de pesquisa.</p> Agostina Dolcemascolo Lucila Dughera Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175285 e175285 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175285 Conhecendo deuses, doenças de branco e fezes de gavião-real: notas sobre aspectos classificatórios de bichos-de-pena entre os Kujubim em Rondônia https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/157264 <p>O presente artigo diz respeito aos conhecimentos sobre os seres que nossa ciência biológica classifica como “aves” entre os Kujubim (Rondônia), a partir de suas práticas e perspectivas intelectuais, materiais e semióticas. Sendo assim, partindo das relações entre <em>bichos-de-pena</em> e os Kujubim, pretendo demonstrar como opera uma matriz classificatória entre o grupo, isto é, as operações intelectuais e práticas envolvidas nestas “classificações”, explorando como o conhecimento desses seres se constitui, se adquire e os organiza em determinadas categorias. Neste sentido, através do modo como os Kujubim se relacionam com as “aves”, pretendo contribuir para os estudos animais (DEMELLO, 2012; BEVILAQUA &amp; VANDER VELDEN, 2016) partindo da seguinte questão: o que a análise do “sistema” de classificação dos Kujubim acerca das “aves” revela sobre as relações semióticas entre humanos e animais? E, ainda, o que essas relações podem nos revelar sobre os aspectos das próprias classificações e como elas se fundamentam?</p> Gabriel Sanchez Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e157264 e157264 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe157264 Quando a alteridade é mediada: uma experiência etnográfica sobre as relações entre cientistas sociais, movimentos indígenas e o(s) Estado(s) https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/168123 <p>O artigo aborda situações etnográficas no âmbito de um curso sobre "fortalecimento da identidade", ministrado por profissionais não indígenas a jovens de uma comunidade Huarpe, na província argentina de San Luis. Estou interessado em desvendar o complexo de relações que foram articuladas neste evento, em particular as ligações construídas entre cientistas sociais, movimentos indígenas e agentes estatais. Desta forma, presentarei uma série de reflexões sobre as posições que assumimos como parte da tarefa antropológica, especialmente em uma situação que apresenta sérios desafios a estes movimentos, após ter passado por um processo relativamente recente de institucionalização e reconhecimento. O próposito final é discutir como a etnicidade e as representações de alteridade são abordadas por antropólogos que investigam esses processos, tendo em vista o perigo de estabelecer a alteridade como um fato.</p> Aldana Calderón Archina Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e168123 e168123 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe168123 A fabricação teatral do corpo-símbolo em movimento: pensando sobre comunicação por meio de uma abordagem performática - Weltanschauung, kraft e transformação https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/169731 <p>Corpos são fabricados em performances simbólicas, envolvendo comportamento restaurado, Kraft (afecções) e uma Weltanschauung performada e dinâmica. Foco no aspecto comunicacional de corpos em trabalho de campo com o Grupo Sonhus Teatro Ritual (Goiânia – GO, 2016-2017). A performance de minha observação participante envolveu aprendizado no corpo. Propus o conceito corpo-símbolo, com Weltanschauung, e além da dicotomia corpo e mente. Percepções são aqui tomadas como ações, assim como discursos o são. Tais corpos buscam transformam o meio e este artigo busca: a) mostrar vantagens de um aporte performativo de análise e b) expandir maneiras de se entender corpos e comunicação.</p> Roberto Murilo Xavier Reis Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e169731 e169731 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe169731 Significados e debates sobre a adesão às terapias antirretrovirais entre jovens ativistas na área metropolitana de Buenos Aires https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/171966 <p>Com o advento de terapias antirretrovirais altamente ativas que reduziram doenças oportunistas e mortalidade associadas ao HIV desde meados dos anos 90, reconfigurando o cenário de respostas políticas e de saúde à epidemia de HIV, “aderência” a tratamentos tornou-se uma questão central nas abordagens médico-institucionais. Nesse contexto, as organizações da sociedade civil têm desempenhado um papel significativo na coordenação com agências e agências de cooperação internacional. Este artigo analisa os significados e significados expressos por ativistas da Rede Argentina de Jovens e Adolescentes Positivos (RAJAP) da Região Metropolitana de Buenos Aires (AMBA) em torno de tratamentos de longo prazo, apresentando também como o problema de "aderência” é debatida em diferentes atividades institucionais. Para esta pesquisa foi implementada uma abordagem etnográfica com participação em atividades em rede, entrevistas com ativistas e análise de fontes secundárias.</p> Tomas Kierszenowicz Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e171966 e171966 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe171966 Aids, tempo e suas renitências: socialidades, emoções e políticas em uma rede social on-line https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/179821 <p>Este artigo problematiza as relações entre doença, tempo, socialidade, emoção e prática estatal no campo do HIV/aids a partir da interlocução com pessoas que vivem com HIV/aids num grupo fechado no <em>Facebook</em>. Faz-se isso ao analisar a socialidade no grupo, com destaque à confiança na cronificação da infecção pelo HIV e às postagens que denunciavam a intensificação do desmonte da política brasileira de aids decorrentes de ações governamentais. Tais postagens geraram ‘<em>tretas</em>’ entre membros do grupo. Seguir as ‘<em>tretas</em>’ para compreender suas gramáticas política e emocional permitiu interpretar os significados atribuídos pelos interlocutores às políticas públicas de saúde, o que possibilitou analisar o lugar do Estado nessas políticas. O aspecto mais relevante dos resultados deste estudo sublinha o modo como o Estado exerce seu poder por meio da produção de saberes, discursos, práticas, políticas públicas e tecnologias que visam a amenizar experiências de sofrimento, a prolongar a vida, a prevenir doenças e mortes, sem, contudo, destacar a própria dependência de suas ações para que isso se efetive e se mantenha; de maneira que as propostas de intervenção estatal envolvidas na administração e enfrentamento da epidemia de HIV/aids podem, intencionalmente ou não, intensificar experiências de sofrimento social.</p> Lucas Pereira de Melo Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e179821 e179821 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe179821 Pesa, logo existe: por uma antropologia que corra (perigo) https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/171329 <p>Este artigo se dá na interseção entre dois trabalhos de campo, um entre indígenas do Território Indígena do Xingu que habitam a cidade de Canarana, Mato Grosso, outro com grupos de danças contemporâneas na cidade de São Paulo. Nossa intenção é ressaltar os importantes efeitos de se levar a sério a possibilidade de que outros mundos levem a outros modos de conhecimento, estabelecendo, desde a perspectiva do corpo e de seus poderes modulatórios, uma crítica a abordagens estritamente intelectuais de saberes que chamam à experiência direta. O que sugerimos aqui é uma radicalização da proposta de se levar a sério a verdade de nossas interlocutoras e interlocutores de pesquisa, não apenas escutando suas verdades como verdades para elas, mas escutando-as como verdades que definem, ela mesmas, os limites de sua extensão.</p> Amanda Horta Renato Jacques Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e171329 e171329 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe171329 MASSUMI, Brian. 2014. What the animals can teach us about politics? Durham: Duke University Press. 135pp. https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/175063 Thiago Araujo Pinho Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e175063 e175063 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175063 NEIBURG, Federico (org.). 2019. Conversas etnográficas haitianas. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens. 344 pp https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/176822 Aline Correia Antonini Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e176822 e176822 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe176822 REA, Caterina; PARADIS, Clarisse Goulart; AMANCIO, Izzie Madalena Santos (orgs.). 2018. Traduzindo a África Queer. Salvador: Editora Devires. 146 pp. https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/179712 André Filipe de Morais Justino Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e179712 e179712 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe179712 TSING, Anna. 2019. Viver nas ruínas: paisagens multiespécies no Antropoceno. Brasília: IEB Mil Folhas. 284p https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/179012 Ricardo Marchiori Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e179012 e179012 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe179012 Carvão: A chave de uma porta do mundo https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/179760 <p>O Nego Fugido é uma performance cultural que acontece na comunidade quilombola de Acupe, na Bahia, e usa o carvão como elemento estético para a pintura do rosto. A relação enredada entre os corpos e a substância, entretanto, ultrapassa o caráter plástico e assume outros agenciamentos. Há ali uma conexão entre o visível e o invisível. No ensaio foto etnográfico vemos como o carvão é uma chave de abertura desses corpos no mundo afrodiasporico. </p> Maria José Villares Barral Villas Boas Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e179760 e179760 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe179760 Gravando o último transe: um caso de comunicação com criaturas invisíveis do leste da Sérvia https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/179727 <p>Gravação do último transe de uma mulher "fairy-seer"</p> Maria Vivod Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e179727 e179727 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe179727 Saúde e doença no Alto Amazonas https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/180512 <p>Tradução do capítulo 5 do livro “La Lucha por la salud indígena en el Alto Amazonas y en los andes (1992)”, que foi ampliada pelos autores e apresenta notas inéditas</p> Axel Kroeger Françoise Barbira-Freedman Aline Regitano Anai Vera Britos Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e180512 e180512 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe180512 What is missing? Reflections on Indigenous Health - Interview with Axel Kroeger and Francoise Barbira-Freedman https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/180514 <p>Entrevista com Axel Kroeger and Francoise Barbira-Freedman</p> Aline Regitano Axel Kroeger Françoise Barbira-Freedman Copyright (c) 2020 Cadernos de Campo (São Paulo - 1991) http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2020-12-31 2020-12-31 29 2 e180514 e180514 10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe180514