O Espaço Disciplinar do Espanhol (EDE) no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i14p308-337

Palavras-chave:

espaço disciplinar do espanhol, campo científico, complexificação

Resumo

Neste artigo, problematizamos a história do ensino e da pesquisa em língua espanhola no Brasil a partir do conceito de campo em Pierre Bourdieu (1983). Denominamos espaço disciplinar do espanhol (EDE) a esfera de produção de conhecimentos sobre a língua espanhola em âmbito acadêmico e universitário no país e retomamos sua formação histórica, considerando o lugar dessa língua em suas relações com a universidade, a escola e a legislação educacional. Em seguida, descrevemos movimentos recentes que complexificam o EDE, ou seja, aprofundam sua identidade disciplinar no campo dos estudos linguísticos e educativos, a saber: o desenvolvimento de linhas de pesquisa voltadas ao funcionamento linguístico; a presença da política linguística pan-hispânica no país; e a aprovação da Lei 11.161/2005. Isso nos leva a refletir sobre as possibilidades de circulação do conhecimento produzido no EDE em um contexto de retraimento do investimento público em educação, crise da universidade e reforma do ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilson da Silva Cruz, Secretaria Municipal de Educação – São Paulo

Professor de línguas e Diretor de Escola na Rede Municipal de Educação de São Paulo. Formado em Letras (Português e Espanhol) e Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

Denise Trento Rebello de Souza, Universidade de São Paulo (USP)

Professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão junto aos cursos de Graduação e Pós-Graduação. Doutora em Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Londres.

Referências

Bagno, Marcos. “O que é uma língua? Imaginário, ciência e hipóstase”. In: Bagno, Marcos; Lagares, Xoán (orgs.). Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2011, 355-387.

Bourdieu, Pierre. “Algumas propriedades dos campos”. In: Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

_____. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

_____. Razões Práticas. Sobre a teoria da ação. 7 ed. Campinas: Papirus, 2005.

Brasil. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação). <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em 25 mar. 2017.

_____. Lei Federal 11.161, de 05 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da Língua Espanhola. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11161.htm>. Acesso em 25 mar. 2017.

_____. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Linguagens Códigos e suas Tecnologias. Conhecimentos de espanhol. Brasília: MEC, 2006, p. 127-166. <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf>. Acesso em 25 mar. 2017.

_____. Emenda Constitucional n. 95. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 2016. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm>. Acesso em 25 mar. 2017.

_____. Lei Federal 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 2017. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm>. Acesso em 25 mar. 2017.

Celada, María Teresa. O espanhol para o brasileiro. Uma língua singularmente estrangeira. Tese de Doutorado. Unicamp, Campinas, 2002.

Celada, María Teresa; González, Neide Maia. “El español en Brasil: un intento de captar el orden de la experiencia”. In: Sedycias, João (org.). O ensino de espanhol no Brasil. Passado, presente e futuro. São Paulo: Parábola, 2005, 71-96.

Cruz, Edilson da Silva. O projeto OYE (2006) e a formação de professores de espanhol no Brasil: crise, desregulação, resistência(s). Dissertação de Mestrado. São Paulo: FEUSP, 2016.

Del Valle, José. “La lengua, patria común: Política lingüística, política exterior y el post-nacionalismo hispánico”. In: Wright, R.; Ricketts, P. (orgs.). Studies on Ibero-Romance Linguistics Dedicated to Ro-lphPenny. Newark: CUEJU, 2005, 391-416.

_____. La lengua, ¿patria común? Ideas e ideologías del español. Madrid: Vervuert/Iberoamericana, 2007.

Fanjul, Adrián Pablo. “‘Policêntrico’ e ‘pan-hispânico’: deslocamentos na vida política da língua espanhola”. In: Bagno, Marcos; Lagares, Xoán. Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2011, 299-330.

_____. “Os gêneros desgenerizados: discursos na pesquisa sobre espanhol no

Brasil”. In: Bakhtiniana: Revista de estudos do discurso, v. 7, 2012, 46-67.

_____. “Eledobrasil. Un nombre entre transformaciones”. In: Arnoux, Elvira; Lauria, Daniela. Lenguas y discursos en la construcción de la ciudadanía sudamericana. Buenos Aires: UNIPE, 2016, 59-83. <https://drive.google.com/file/d/0B6CgDfIPWoW7a2JhUmpGVVhMdTQ/view>. Acesso em 25 mar. 2017.

Fanjul, Adrián Pablo; González, Neide Maia. Espanhol e português brasileiro: estudos comparados. São Paulo: Parábola, 2014.

Freitas, Luciana. Da fábrica à sala de aula: vozes e práticas tayloristas no trabalho do professor de espanhol em cursos de línguas. Tese de Doutorado. UFRJ: Rio de Janeiro, 2010.

González, Neide Maia. “Cadê o pronome?” “O gato comeu”. Os pronomes pessoais na aquisição/aprendizagem do espanhol por brasileiros adultos. Tese de Doutorado.

FFLCH/USP, São Paulo, 1994.

_____. “A Lei 11.161/05, as Orientações Curriculares e as políticas públicas de formação de professores: a história de um descompasso entre o dizer e o fazer”. In: Anais do V Congresso brasileiro de Hispanistas. Belo Horizonte: UFMG, 2008, 3175-3188.

Groppi, Mirta. Os pronomes pessoais no espanhol do Uruguai e no português do Brasil. Tese de Doutorado. FFLCH/USP, São Paulo, 1998.

Kulikowski, María Zulma. “La lengua española en Brasil: un futuro promisor”. In: Sedycias, João (org.). O ensino do Espanhol no Brasil: passado, presente, futuro. São Paulo: Parábola, 2005, 45-52.

Moreno Fernández, Francisco. “El Español en Brasil”. In: Sedycias, João (org.). O ensino do Espanhol no Brasil: passado, presente, futuro. São Paulo: Parábola, 2005, 14-34.

Novodvorski, Ariel. “O discurso mercantilista na promoção do espanhol no

Brasil: uma abordagem crítica”. In: Anais do VIII ENIL (Encontro Nacional de Interação em Linguagem Verbal e Não-Verbal) e II SIACD (Simpósio Internacional de Análise Crítica do Discurso). São Paulo: FFLCH/USP, 2008.

Picanço, Deise Cristina de Lima. História, memória e ensino de espanhol (1941-1990). Curitiba: UFPR, 2003.

Ponte, A. S. General, globalizada, neutra, panhispánica e transnacional: la lengua, muitos nomes, um produto. Tese de Doutorado. São Paulo: FFLCH/USP, 2013.

Rodrigues, Fernanda Castelano. Língua viva, letra morta. Obrigatoriedade e ensino de espanhol no arquivo jurídico e legislativo brasileiro. São Paulo: Humanitas, 2012.

Sousa Santos, Boaventura. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. São Paulo: Cortez, 2011.

Théry, J. “El nacimiento de la universidad”. In: Revista Historia. National Geographic, outubro 2013. <http://www.nationalgeographic.com.es/historia/grandes-reportajes/el-nacimiento-de-la-universidad_7629>. Acesso em 25 mar. 2017.

_____. Os usos sociais da ciência. Por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Unesp, 2004.

Downloads

Publicado

2017-12-21

Como Citar

CRUZ, E. da S.; REBELLO DE SOUZA, D. T. O Espaço Disciplinar do Espanhol (EDE) no Brasil. Caracol, [S. l.], n. 14, p. 308-337, 2017. DOI: 10.11606/issn.2317-9651.v0i14p308-337. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/caracol/article/view/129271. Acesso em: 7 fev. 2023.