Representações do professor leitor em língua espanhola e de suas práticas com a leitura em sala de aula

Autores

  • Rafael Borges Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i19p734-765

Palavras-chave:

Discurso, Leitura, Ensino de língua espanhola

Resumo

Neste trabalho nos propomos a analisar as representações que compartilham professores de espanhol atuantes no Ensino Fundamental II e Médio acerca da leitura como prática social, de modo geral, e da leitura como habilidade específica a ser explorada nas aulas de língua estrangeira. Com esse intuito, elaboramos um questionário composto por 30 questões discursivas e de múltipla escolha, respondido por 24 professores, posteriormente selecionamos 5 entre eles e realizamos entrevistas individuais, com base em um roteiro semiestruturado, composto por 14 perguntas discursivas. A partir disso, empreendemos uma análise de base qualitativa, fundamentada teoricamente pela Análise do Discurso de linha francesa, em princípios da História Cultural do livro e da leitura, bem como dos Letramentos. Sendo assim, pudemos analisar as representações desses professores sobre a leitura e o leitor, o que abre caminhos e possibilidades para pensarmos acerca da formação leitora crítica em língua estrangeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Borges, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Rafael Borges é professor na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, na Escola Agrícola de Jundiaí. É doutorando em Linguística na Universidade Federal de São Carlos. Já realizou estágios de pesquisas e estudos na Espanha, na Universidade de Valladolid (2012/2013), na Universidade de Barcelona (2014) e, atualmente, na Universidade Pompeu Fabra (2019/2020). Tem se dedicado ao tema da leitura e da formação de leitores em língua materna e estrangeira. 

Referências

Abreu, Márcia. Diferença e Desigualdade: Preconceitos em Leitura. In: Marinho, Marildes (Org.). Ler e Navegar: espaços e percursos da leitura. Campinas: Mercado de Letras; ALB, 2001a. 139-57.

Abreu, Márcia. .Quem lia no Brasil colonial. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 24., 2001, Campo Grande. Anais... Campo Grande: INTERCOM, 2001b. Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2001/papers/NP4ABREU.pdf>. Acesso em: 08 mar. 2011.

Abreu, Márcia. Diferentes formas de ler. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 24., 2001c, Campo Grande. Anais... Campo Grande: INTERCOM, 2001c. Disponível em: <http://www.unicamp.br/iel/memoria/Ensaios/Marcia/marcia.htm>. Acesso em: 06 ago. 2010.

Britto, Luiz Percival Leme. Escola, ensino de língua, letramento e conhecimento. Calidoscópio. 2007, v. 5, n. 1, 24-30.

Britto, Luiz Percival Leme. Leitor Interditado. In: Marinho, M.; Silva, C. S. R. (Orgs.). Leituras do Professor. São Paulo: Mercado de Letras, 1998, 61-78.

Bayard, Pierre. Como falar dos livros que não lemos?. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

Busto, Enrique Santamaría. Enseñar la competencia fonética. In: Zarobe, L. R.; Zarobe, Y. R. (Orgs.) Enseñar hoy una lengua extranjera. España: Publidisa, 2013, 2-64.

Cassany, Daniel. Sobre los componentes socioculturales de la lectura en lengua extranjera. In: Zarobe, Y. R.; Zarobe, L. R. (Orgs.). La lectura en lengua extranjera. España: Portal Education, 2011, 102–27.

Chartier, Roger. Leituras e leitores na França do Antigo Regime. Tradução Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

Chartier, Roger. Os desafios da escrita. Tradução de Fúlvia Moretto. São Paulo: Editora UNESP, 2002a.

Chartier, Roger. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietude. Porto Alegre: Edição UFRGS, 2002b.

Chartier, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Tradução Reginaldo de Moraes. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

Chartier, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

Curcino, Luzmara. Formas de divisão social entre leitores e não-leitores: uma análise de discursos sobre a leitura e seus usos no âmbito da política brasileira. In: VII SEAD: Seminário de Estudos em Análise do Discurso, 2016, Recife. Anais... Recife: SEAD, 2016. Disponível em <http://anaisdosead.com.br/7SEAD/SIMPOSIO05/LuzmaraCurcinoFerreira.pdf>. Acesso em: 16 dez. 2016.

Foucault, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

Ginzburg. Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. Tradução Maria Betânia Amoroso; Tradução dos poemas José Paulo Paes; Revisão técnica Hilário Franco Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Kleiman, Angela. Preciso “ensinar” o letramento? Não basta ensinar a ler e escrever? Campinas: Cefiel/IEL/Unicamp; MEC, 2005.

Kleiman, Angela. Abordagens da Leitura. Belo Horizonte: Scripta, v. 7, n. 14, 2004, p. 13-22.

Kleiman, Angela. Modelos de Letramento e as Práticas de Alfabetização na Escola. In: _____ (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995. p. 15-61. (Coleção Letramento, Educação e Sociedade).

Downloads

Publicado

2020-06-24

Como Citar

Borges, R. (2020). Representações do professor leitor em língua espanhola e de suas práticas com a leitura em sala de aula. Caracol, (19), 734-765. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i19p734-765