Imperialismo e Dependência Estrutural Latino-americana: Alguns Aspectos Conceituais, Históricos e Contemporâneos

Autores

  • Luiz Fernando da Silva Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.i20p100-133

Palavras-chave:

América Latina e Caribe, Dependência estrutural, Pensamento social, Imperialismo

Resumo

O presente artigo discute a “dependência estrutural” latino-americana. Apresento uma síntese da evolução desse tema no pensamento social crítico latino-americano, como também esboço alguns de seus traços atuais na realidade regional. Pelo menos desde a década de 1920, essa perspectiva analítica possibilitou um eixo diverso de interpretações sobre as desigualdades, miséria social e atraso econômico na região. A ênfase principal para essa explicação encontrou-se em torno das relações de subordinação aos países imperialistas em aliança com as burguesias “nacionais” locais. O tema na atualidade é pouco abordado nos meios acadêmicos e por grande parte da esquerda política na América Latina. A globalização não eliminou o processo de dependência estrutural, pelo contrário o aprofundou. Ao meu entender, não é possível considerar tal fenômeno sem considerar também os chamados governos “progressistas”, que se desenvolveram na América do Sul, a partir do final dos anos 1990. Esses governos não romperam ou minimizaram laços de dependência estrutural. Essa afirmação não é difícil de percebê-la na realidade social regional. As novas formas de extrativismo que se expandiram sobre enormes áreas territoriais, tendo como signo os megaempreendimentos de mineração e agropecuários de grupos internacional sobre os povos originários, camponeses e quilombolas, ganharam nova expansão nos governos progressistas. Nesse atual período, os novos governos de direita, ultradireita ou protofascista empenham-se no aprofundamento ainda maior dessa dependência estrutural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Fernando da Silva, Universidade Estadual Paulista

Professor aposentado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp – SP - Brasil). Com Pós-doutorado na Universidade de Buenos Aires (UBA-Argentina), na área de Sociologia Política, é mestre e doutor em Sociologia pela Unesp, e tem graduação em História. Os resultados de suas pesquisas encontram-se em livros, capítulos de livros e artigos em revistas especializadas.

Referências

Amazon Watch. Complicity in destruction II: how northern consumers and financiers enable Bolsonaro’s assault on the Brazilian amazon. Relatório 2019. Disponível em: https://amazonwatch.org/assets/files/2019-complicity-in-destruction-2.pdf Acessado em: 20 abril de 2020.

Bagu, Sérgio. Economía de la sociedade colonial (Ensayo de historia comparada de América Latina). Buenos Aires: Librería El Ateneo, 1949.

Bambirra, Vânia. Capitalismo dependente latino-americano. Florianópolis: Insular, 2012.

Borón, Atílio. Estado, capitalismo e democracia na América Latina. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

Cardoso, Fernando Henrique; Faletto, Enzo. Desenvolvimento e dependência na América Latina. Ensaio de interpretação sociológica. São Paulo: Guanabara, 1970.

Cardoso, Fernando Henrique. Capitalismo e escravidão no Brasil meridional. São Paulo: Difel, 1962.

CEPAL. Comissão Econômica da América Latina e Caribe. Panorama Social de América Latina, 2019. (LC/PUB.2019/22-P/Re v.1), Santiago, 2020. Disponível em: https://www.cepal.org/es/.../44969-panorama-social-america-latina-2019. Acessado em 15 de março de 2020.

CEPAL. Comissão para América Latina e Caribe. Panorama de la Inserción Internacional de América Latina y el Caribe 2015. La crisis del comercio regional: diagnóstico y perspectivas. octubre 2015. Disponível em: https://www.cepal. org/.../39010-panorama-la-insercion-internacional-america-latina-caribe-2015-la-crisis. Acessado em 15/11/2019.

CEPAL. Comissão para América Latina e Caribe. Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe 2019: O contexto mundial adverso aprofunda o atraso da região. Disponível em: https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/44940-perspectivas-comercio-internacional-america-latina-caribe-2019-o-contexto. Acessado em 15 de dezembro de 2019.

OSAL. Revista Observatório Social da América Latina. Coleção. Disponível em: www.clacso.org.ar/libreria-latinoamericana/libros_por_programa.php?campo=programa&texto=6. Acessado em 08/06/2020.

Frank, Andrew Gunder. “Desenvolvimento do subdesenvolvimento latinoamericano”. In: Pereira, Luiz (org.). Urbanização e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1969.

Gorender, Jacob. Escravismo colonial. São Paulo: Ática, 1978.

Ianni, Octávio. As metamorfoses do escravo. São Paulo: Difel, 1962.

Justo, Liborio. Bolivia, la revolución derrotada: del Tahuanrisuyu a la insurrección de abril 1952 y las masacres de mayo y septiembre de 1965: raiz, proceso y autopsia de la primera revolución proletaria en America Latina. Cochabamba: Editorial Serrano, 1967.

Latinobarómetro. Opinião Pública Latino-Americana. Informes 2000. Disponível em: http://www.latinobarometro.org/LATOld/LATBD/LATBD_Latinobarometro_Informe_1999_2000.pdf. Acessado em 08/06/2020.

Lênin, Vladimir. “Imperialismo: fase superior do capitalismo”. In: Obras completas. Madri: Akal Editor, 1978. Tomo XLIV.

Martins, Carlos Eduardo. “Consenso de Washington”. In: Sader, Emir e Jinkings, Ivana (orgs.). Latinoamericana. Enciclopédia Contemporânea de América Latina e do Caribe. Rio de Janeiro/São Paulo: Laboratório de Políticas Públicas/Boitempo, 2006.

Marini, Rui Mauro. Dialéctica da dependência. Coimbra: Centelha, 1976.

Melgar, Ramón (1911). Sangre nueva. Buenos Aires: Biblioteca Científica, 1911. Apud Biagine, Hugo E. “América Latina, continente. enfermo”. In: Vallejo, Gustavo e Miranda, Marisa. Política del cuerpo. Estrategias modernas de normalización del individuo y la sociedad. Buenos Aires: Siglo XXI, 2007.

Mella, Julio Antonio. “O proletariado e a libertação nacional – 1928”. In: Lowy, Michel (org.). O marxismo na América Latina. Uma antologia de 1909 aos dias atuais. São Paulo: Perseu Abramo, 1999.

Moniz Bandeira, Luiz Alberto. Brasil, Argentina e Estados Unidos. Conflito e integração na América do Sul. (Da tríplice aliança ao Mercosul). 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

Moreno Fraginals, Manuel. O engenho. Complexo econômico-social cubano do açúcar. São Paulo: Hucitec, 1978. (v.I, II e III).

Moreno, Nahuel. “Cuatro tesis sobre la colonización española y portuguesa en América”. In: Obras Escogidas (1948 - 1987), Bogotá: CITO, 8. (Ensaio escrito no ano de 1948, publicado como folheto mimeografado em diversas ocasiões. Impresso no ano de 1957 na revista Estrategia. Disponível em: https://archivoleontrotsky.org/view?mfn=20992 Acesso em 29/01/2020.

Oxfam. Desterrados, tierra, poder y desigualdade em América Latina, 2016. Disponível

em: https://oxfam.org.br/publicacao/desterrados-tierra-poder-y-desigualdaden-america-latina/ Acessado em 10/02/2020.

Petras, James e Zeitlin, Maurice. América Latina: reforma o revolución? Buenos Aires: Editorial Tiempo Contemporaneos, 1968. 2v.

Pottier, Eugenie; Degeyter, Pierre. A Internacional, 1871. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/tematica/musica/international.htm. Acessado em 13/06/2020.

Prado Jr., Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Brasiliense, 1953.

Quijano, Anibal. Diversidade étnica. (2006). In: Sader, Emir; Jinkings, Ivana (coord.). Latinoamericana. Enciclopédia Contemporânea da América Latina e Caribe. São Paulo: Boitempo Editorial, 520-530.

Recabarren, Luis Emilio. “‘Ricos y pobres’, 03 de setembro de 1910” In: Lowy, Michel (org.). O marxismo na América Latina. Uma antologia de 1909 aos dias atuais. São Paulo: Perseu Abramo, 1999.

Roberts, Richard. Finanças internacionais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2000.

Sandroni, Paulo. Dicionário de economia do século XXI. São Paulo: Record, 2005.

Santos, Theotônio dos. Socialismo o fascismo. Buenos Aires: Periferia, 1972.

Santos, Theotônio dos. “La crisis de la teoria del desarrollo y las relaciones de dependencia en América Latina”. In: Caduernos de estúdios socioeconômicos (CESO). Universidad de Chile, 1969.

Silva, Luiz Fernando da e Costa, Gisele. Teoria da dependência e América Latina. Análise crítica na perspectiva da Revolução Permanente. São Paulo: Sunderman/Corações e Mentes, 2018.

Silva, Luiz Fernando da. “A política externa estadunidense no atual quadro político sul-americano”. In: Latinoamérica. Revista de Estudios Latinoamericanos, nº52, 2011, 71-90.

Silva, Luiz Fernando da. “Ajustes neoliberais e lutas sociais: estratégias políticas na América Latina”. In: Marxismo Vivo, n. 13. 05/2006. Disponível em: https://archivoleontrotsky.org/login Acesso em 10/06/2020.

Silva, Luiz Fernando da. “Aspectos da teoria da dependência: América Latina, anos 60 e 70”. In: Revista Nas trilhas da pesquisa. Unesp - Araraquara. Curso de Pós-Graduação em Ciências Sociais - Área de Concentração: Sociologia Urbana e Rural. nº 4, p. 45-67. 1992.

Svampa, Maristella. As fronteiras do neoextrativismo na América Latina. Conflitos socioambientais, giro ecoterritorial e novas dependências. São Paulo: Elefante, 2019.

Tesis de Pulacayo. In: Marxismo Vivo, n. 8., 03/2004. Tesis presentadas por los delegados del POR al Congreso de Pulacayo de la Federación Sindical de Trabajadores Mineros de Bolivia, realizado en novembro de 1946. Disponível em: https://archivoleontrotsky.org/login Acessado em 10/01/2020.

Vasconi, Amadeo Tomás. “Dependência y superestrutura”. In: Revista mexicana de sociologia, nº4, out-dez, 1969, 768-795.

III IC. Terceira Internacional Comunista. “Sobre la revolución em América. Llamamento a la clase obrera de las dos Américas”. In: Löwy, Michel (org.). O marxismo na América Latina. Uma antologia de 1909 aos dias atuais. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1999.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

SILVA, L. F. da . Imperialismo e Dependência Estrutural Latino-americana: Alguns Aspectos Conceituais, Históricos e Contemporâneos. Caracol, [S. l.], n. 20, p. 100-133, 2020. DOI: 10.11606/issn.2317-9651.i20p100-133. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/caracol/article/view/171633. Acesso em: 7 jul. 2022.