Schopenhauer e a teoria política do individualismo possessivo

  • Flamarion Caldeira Ramos
Palavras-chave: Individualismo, Direito Natural, Propriedade, Estado, Liberalismo

Resumo

A teoria política de Schopenhauer parte de premissas próximas à teoria de Hobbes: o egoísmo e a competição levam à necessidade do contrato social para garantir a segurança na vida em sociedade. Embora seja constantemente comparado a Hobbes em sua descrição da natureza humana, Schopenhauer chegará a conclusões diametralmente opostas: afirmará a existência do direito natural para além do pacto social assim como o direito à propriedade independente do Estado. Este último, longe de assemelhar-se ao Leviatã hobbesiano, terá um papel bem limitado: apenas a garantia da lei e da segurança, sem interferir muito na vida dos indivíduos. Mesclando elementos liberais e conservadores, a teoria política de Schopenhauer está mais próxima da teoria de Locke do que daquela exposta pelo autor do De Cive. Tentarei desenvolver essa hipótese em minha comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARTWRIGHT, D. “Locke as Schopenhauer’s (Kantian) philosophical ancestor”. In: Schopenhauer Jahrbuch, nº 84, pp. 147-156, 2003.

CATTANEO, Mario. “Das Problem des Strafrechts im Denken Schopenhauers”. In: Schopenhauer Jahrbuch, nº. 67, pp. 95-112, 1986.

CATTANEO, Mario. “Schopenhauers Kritik der Kantischen Rechtslehre”. In: Schopenhauer Jahrbuch, nº 69, pp. 399-407, 1988.

GIACOIA Jr., Oswaldo. “A mentira e as luzes: aspectos da querela a respeito de um presumível direito de mentir”. In: Puente, Fernando Rey. Os filósofos e a mentira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

KROON, Annette Godart-van der. “Schopenhauer’s Theory of Justice and its Implication to Natural Law”. In: Schopenhauer Jahrbuch, nº 84, pp. 121-145, 2003.

HAMLYN, D.W. “Eternal Justice”. In: Schopenhauer Jahrbuch, nº 69, pp. 281-288, 1988.

HORKHEIMER, Max. “Schopenhauer und die Gesellschaft”. In: Schopenhauer Jahrbuch, no 36, Frankurt am Main, pp. 49-57, 1955.

HORKHEIMER, Max. “Die Aktualität Schopenhauers”. In: Schopenhauer Jahrbuch, no 42, Frankurt am Main, pp. 12-25, 1961.

HOBBES, T. Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. Coleção “Os Pensadores”. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

KÜPPER, Georg. “Der Begriff des Unrechts bei Schopenhauer”. In: Schopenhauer Jahrbuch, nº 74, pp. 103-114, 1993.

LOCKE, J. Dois tratados sobre o governo. Laslett (ed.). São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LUKÁCS, G. El Asalto a la Razón. Trad. de Wenceslao Roces. Barcelona, Grijalbo, 1976.

MACPHERSON, C.B. The Political Theory of Possessive Individualism. Oxford: Clarendon Press, 1962.

MÜNKLER, H. “Ein janusköpfiger Konservatismus: Arthur Schopenhauers politische Ideen”. In: Spierling, V. (org). Schopenhauer im Denken der Gegenwart. Munique: Piper, pp. 217-237, 1987.

NIETZSCHE, F. Obras incompletas. Coleção “Os Pensadores”. 3ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sämtliche Werke. Editadas e comentadas criticamente por Arthur Hübscher. Wiesbaden: F. A. Brockhaus, 7 vols, 1972.

SCHOPENHAUER, Arthur. Crítica da filosofia kantiana. Tradução de Maria Lúcia Cacciola. Coleção “Os Pensadores”. 2ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga und Paralipomena. Zurique: Haffmans, 2 vols, 1988.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. Tradução de Maria Lúcia Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tradução de Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre a ética. (Capítulos 8 – 15 de Parerga e Paralipomena de Arthur Schopenhauer). Organização e tradução de Flamarion C. Ramos. São Paulo: Hedra, 2012.

Publicado
2015-12-23
Como Citar
Ramos, F. (2015). Schopenhauer e a teoria política do individualismo possessivo. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(27), 72-83. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i27p72-83
Seção
Artigos