KIERKEGAARD E A BUSCA POR UMA BARREIRA NO SEIO DO MAELSTRÖM DA MODERNIDADE

  • Gabriel Guedes Rossati
Palavras-chave: ironia, crítica, crise, niilismo, modernidade

Resumo

Trata-se neste artigo de argumentar que na obra O conceito de ironia, seu autor, Kierkegaard (1813-1855), não obstante o fato de concebê-la como uma pesquisa acerca da figura de linguagem denominada ironia, se enreda em sérias e profundas contradições conceituais ao abordar indistintamente tal figura enquanto 1) subjetividade (socrática), 2) crítica (iluminista), 3) ironia romântica e, 4) o que ele próprio denomina de “ironia dominada”. Assim, servindo-me, como plataforma hermenêutica, da obra Crítica e Crise do historiador R. Koselleck, busco desenredar tais contradições de forma a demonstrar que por detrás dessa indistinção conceitual a obra O conceito de ironia tem, para além da questão mais superficial da ironia (enquanto figura de linguagem), como fio condutor mais profundo a questão do niilismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-04-14
Como Citar
Rossati, G. (2016). KIERKEGAARD E A BUSCA POR UMA BARREIRA NO SEIO DO MAELSTRÖM DA MODERNIDADE. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(27), 34-52. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/114381
Seção
Artigos