Marcuse e a verdade do hegelianismo

  • Silvio Rosa Filho Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Marcuse, Hegel, Temporalidade histórica, Suspensão, Racionalidade

Resumo

O objetivo deste artigo é indicar alguns rumos tomados por Marcuse em O homem unidimensional, na medida em que o tema da verdade do hegelianismo permite esclarecer questões concernentes à temporalidade e à historicidade. Fóbica, saturada de tensões, marcada por irresoluções, a temporalidade que jaz na sociedade industrial não deixa de preparar o momento decisivo para uma efetiva desalienação da consciência, sobretudo quando Marcuse interroga o nexo entre o solo historicamente povoado de materiais estéticos e o campo da emancipação política. Trata-se de oferecer um delineamento dessas passagens: de um lado, em contraposição ao necrológio escrito por Gerard Lebrun em 1979; de outro, através do problema da suspensão do terrorismo de Estado, tal como ele se formula nas sentenças e nos aforismos que Hegel elabora em vésperas de redigir a Fenomenologia do espírito. Visto que tal exigência de suspensão é indissociável de uma forma ampliada de racionalidade, visto que ela é solidária da utopia de uma sociedade concreta, a cidade ética de Hegel estaria situada no limiar de uma superação política do medo da morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANTES, Paulo. E. “Idéias ao léu: uma digressão a propósito de O avesso da dialética”. In: Novos Estudos Cebrap. São Paulo, outubro, nº 25, 1989.

ARANTES, Paulo. E. Hegel – a ordem do tempo. São Paulo: Hucitec: Polis, 2000.

ARANTES, Paulo. E. Zero à esquerda. São Paulo: Conrad, 2003.

HABERMAS, Jürgen. “A crítica de Hegel à Revolução Francesa”. In: Teoria e práxis. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

HEGEL, George W.F. Hegel-Werke. Frankfurt: Surkamp Verlag; volume 2, 1969.

HEGEL, George W.F. “Aus dem Jenaer Notizenbuch”. In: Hegel Gesammelte Werke. Hamburgo: Meiner; volume 5, 1998.

HEGEL, George W.F. Vorlesungen über die Aesthetik. In: Sämtliche Werke. Stuttgart: Fromman; ed. Glockner; volume 12, 1929.

HEGEL, George W.F. Fenomenologia do espírito. Petrópolis: Vozes: Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2013.

HEGEL, George W.F. Enciclopédia das ciências filosóficas. São Paulo: Loyola, 1997.

LEBRUN, Gerard. Passeios ao léu. São Paulo: Brasiliense, 1983.

LEBRUN, Gerard. O avesso da dialética – Hegel à luz de Nietzsche. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

LEBRUN, Gerard. A paciência do conceito. São Paulo: Edunesp, 2006.

LEBRUN, Gerard. “Da rentabilidade”. In: Discurso – Revista do Departamento de Filosofia da USP. São Paulo; nº 42, 2012.

MARCUSE, Herbert. One-dimensional Man: Studies in the Ideology of Advenced Industrial Society. Londres, Nova Iorque: Routledge and Keagan Paul; 2ª ed., 1991. Tr. br. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MARCUSE, Herbert. Reason and Revolution: Hegel and Rise of Social Theory. Londres: Routledge and Keagan Paul; 2ª ed. Tr. bras. Razão e revolução. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978; 3ª ed, 1969.

RITTER, Joachim. “Hegel und die Französische Revolution”. In: Metaphysik und Politik. Frankfurt, 1969.

ROSA FILHO, Sílvio. “O sonho de Robespierre”. In: ROSA FILHO, Sílvio, Eclipse da moral – Kant, Hegel e o nascimento do cinismo contemporâneo. São Paulo: Discurso Editorial & Barcarolla, 2009.

VALÉRY, Paul. “Théorie poétique et esthétique”. In: Oeuvres. Paris: Gallimard; vol. I, 1957.

WOLIN, Richard. “What is Heideggerian Marxism?” In: Marcuse, M. Heideggerian Marxism. Lincoln: University of Nebraska, 2005.

WOLIN, Richard. The Frankfurt School Revisited and Other Essays on Politics and Society. Nova Iorque: Routledge Taylor and Francis Group, 2006.

Publicado
2015-12-23
Como Citar
Rosa Filho, S. (2015). Marcuse e a verdade do hegelianismo. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(27), 145-160. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i27p145-160
Seção
Artigos