MARCUSE E A VERDADE DO HEGELIANISMO

  • Silvio Rosa Filho
Palavras-chave: Marcuse – Hegel – temporalidade histórica – suspensão – racionalidade

Resumo

O objetivo deste artigo é indicar alguns rumos tomados por Marcuse em O homem unidimensional, na medida em que o tema da verdade do hegelianismo permite esclarecer questões concernentes à temporalidade e à historicidade. Fóbica, saturada de tensões, marcada por irresoluções, a temporalidade que jaz na sociedade industrial não deixa de preparar o momento decisivo para uma efetiva desalienação da consciência, sobretudo quando Marcuse interroga o nexo entre o solo historicamente povoado de materiais estéticos e o campo da emancipação política. Trata-se de oferecer um delineamento dessas passagens: de um lado, em contraposição ao necrológio escrito por Gerard Lebrun em 1979; de outro, através do problema da suspensão do terrorismo de Estado, tal como ele se formula nas sentenças e nos aforismos que Hegel elabora em vésperas de redigir a Fenomenologia do espírito. Visto que tal exigência de suspensão é indissociável de uma forma ampliada de racionalidade, visto que ela é solidária da utopia de uma sociedade concreta, a cidade ética de Hegel estaria situada no limiar de uma superação política do medo da morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-04-14
Como Citar
Rosa Filho, S. (2016). MARCUSE E A VERDADE DO HEGELIANISMO. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(27), 145-160. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/114384
Seção
Artigos