O escopo dos princípios para uma validação pragmática animalista

  • Fernando Schell Pereira Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)
Palavras-chave: Utilitarismo, Pragmatismo, Deontologia, Abolicionismo pragmático, Consequencialismo

Resumo

Este artigo objetiva mostrar os caminhos percorridos pelas estruturas éticas deontológicas e utilitaristas como bases inerentes na construção de um princípio pragmático animalista, para estabelecer que uma moral pragmática pode ser constituída de princípios e não tomada por aspectos pejorativos ou pelo relativismo moral, e, desse modo, elencar uma análise precisa sobre como seriam válidos os movimentos de defesa animal focados nas ações voltadas ao consequencialismo. Conclui que, assim como o valor subjetivo é um instrumento para a objetividade moral, o pragmatismo também pode ser um instrumento para alcançar seus propósitos morais, objetivando as deliberações empreendidas pelo consequencialismo como eficazes diante da miserável situação em que se encontram os animais não humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENTHAM, J.; TADEU, T. “O Panóptico ou a Casa de Inspeção”. In: BENTHAM, J. O Panóptico. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2008. cap. 13. p. 17-87.

FELIPE, S. T. Abolicionistas, bem-estaristas, socorristas. Disponível em: <https://www.anda.jor.br/2011/12/abolicionistas-bem-estaristas-socorristas/>. Acesso em: 20 maio 2018.

FELIPE, S. T. Por uma Questão de Princípios: alcance e limites da ética de Peter Singer em defesa dos animais. Florianópolis: Boiteux, 2003.

FÓRUM ANIMAL. Nosso impacto. Disponível em: <https://www.forumanimal.org/quemsomos%3Fgclid%3DEAIaIQobChMIq96T-om02AIVRYCRCh0Kqwa0EAAYAiAAEgLEN_D_BwE>. Acesso em: 27 dez. 2017.

GARNER, R. A Theory of Justice For Animals: animals rights in a nonideal world. Oxford, Reino Unido: Oxford, 2013.

IBGE. Estatística da produção pecuária 2017. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2017.

KORIN AGROPECÚARIA. CERTIFIED HUMANE BRASIL. Bem-estar animal: Operações Certificadas. 2017. Disponível em: <http://certifiedhumanebrasil.org/>. Acesso em: 26 dez. 2017.

LEENAERT, T. How To Create A Vegan World: a pragmatic approach. New York: Lantern Books, 2017.

NACONECY, C. M. “Ética animal... ou uma ‘ética para vertebrados’?: um animalista também pratica especismo?” In: Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, BA, v. 2, n. 3, p. 119-153, 2007.

NACONECY, C. M. “Bem-estar animal ou libertação animal? Uma análise crítica da argumentação antibemestarista de Gary Francione”. In: Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, BA, v. 4, n. 5, p. 235-267, 2014.

MULGAN, T. Utilitarismo. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2014.

NAGEL, T. Visão a Partir de Lugar Nenhum. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

INSTITUTO NINA ROSA. Nina Rosa Jacob. A carne é Fraca. João Landi Guimarães. 2004. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=euvdedl-qso>. Acesso em: 04 nov. 2018.

PEREIRA, F. S. Existe um princípio no abolicionismo pragmático. Disponível em: <https://www.principioanimal.org/single-post/2018/05/17/Existe-um-Principio-no-Abolicionismo-Pragm%C3%83%C2%A1tico>. Acesso em: 20/05/2018.

REGAN, T. The Case For Animal Rights. 2. ed. Los Angeles: UniversityOfCalifornia Press, 2004.

REGAN, T. Jaulas Vazias: encarando o desafio dos direitos dos animais. Tradução de R. Rheda. Porto Alegre/PA: Lugano, 2006.

REGAN, T. En Defensa de los Derechos de los Animales. México: Fondo de Cultura Económica, 2016.

SIDGWICK, H. Os Métodos da Ética. 7. ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2013.

SINGER, P. Ética Prática. São Paulo: Martins Fontes, 1998. v. 3.

SINGER, P. Libertação Animal. Porto Alegre: Lugano, 2004.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos dos Animais. Bruxelas, 1978.

WILLIAMS, B. Moral. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Publicado
2018-12-26
Como Citar
Pereira, F. (2018). O escopo dos princípios para uma validação pragmática animalista. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(33), 150-162. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i33p150-162
Seção
Artigos