O TRABALHO PARA A VIDA E A VIDA PARA O TRABALHO: UMA CONFLUÊNCIA ENTRE NIETZSCHE E FOUCAULT ACERCA DO HOMEM MODERNO

Autores

  • Guilherme de Freitas Leal Faculdade de Filosofia - Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i37p117-132

Palavras-chave:

ética , política , modernidade , trabalho , consumo

Resumo

O principal objetivo deste artigo é o de compreender alguns aspectos fundamentais ao modo de pensar e fazer política tal como se desenvolveu a partir da modernidade tendo como referência principal a contraposição entre pequena política e grande política a partir da obra de Friedrich Nietzsche em relação com a concepção de biopolítica pelos ditos e escritos de Michel Foucault. Mais especificamente, a presente abordagem constituir-se-á a partir da relevância dada ao trabalho na construção das sociedades modernas dentro da avaliação feita pelo filósofo alemão e pelo pensador francês supracitados. Nos termos de Nietzsche, uma cultura que não valoriza o espírito, mas que é elaborada por “escravos” modernos, tendo em vista justamente a centralidade do trabalho na construção da vida social bem como da política, mais acentuadamente a partir do século XIX. Pelas ideias de Foucault, indivíduos constantemente disciplinados e regulados através do trabalho como aspecto fundamental da governamentalidade moderna a fim de promover o biogoverno de vidas úteis e ao mesmo tempo dóceis. Trazendo, ademais, o papel da formação, isto é, aquilo que se põe como objetivo à educação nos dois autores a fim de clarear as características principais da sociedade moderna. Notando, desse modo, a relação entre Nietzsche e Foucault quanto ao apontamento de que a formação educacional que se desenvolve desde o capitalismo industrial busca estruturar o sujeito a fim de que se torne trabalhador, isto é, no intuito de integrá-lo ao sistema de produção-consumo para deles exaurir o máximo de contribuição à manutenção do modelo já estabelecido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme de Freitas Leal, Faculdade de Filosofia - Universidade Federal de Goiás

Bacharel e Mestre em Filosofia

Doutorando em Filosofia pela UFG

Referências

ANSELL-PEARSON, Keith. Nietzsche como pensador politico: uma introdução. Mauro Gama; Cláudia Martinelli (tradução) e Fernando Salis (consultoria). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1997.
AQUINO, Julio Groppa. A governamentalidade como plataforma analítica para os estudos educacionais: a centralidade da problematização da liberdade. In: CASTELO BRANCO, Guilherme; VEIGA-NETO, Alfredo (organizadores). Foucault: filosofía & política. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. (Coleção Estudos Foucaultianos), p. 195-211.
AUGUSTO, Acácio. Política e Polícia. In: CASTELO BRANCO, Guilherme; VEIGA-NETO, Alfredo (organizadores). Foucault: filosofía & política. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. (Coleção Estudos Foucaultianos), p. 19-35.
CHAVES, Ernani. Cultura e Política: o jovem Nietzsche e Jakob Burckhardt. Cadernos Nietzsche n.9. São Paulo: Grupo de Estudos Nietzsche, 2000, p.41-66.
________________. Estética, ética e política: em torno da questão do trabalho no segundo Nietzsche. Revista Dissertatio. Disponível em: http://www.ufpel.edu.br/isp/dissertatio/revistas/22/07.pdf. Acessado em 01 mar de 2014.
DELBÓ, Adriana. Estado e Promoção da Cultura no jovem Nietzsche. Cadernos Nietzsche n.23. São Paulo: Grupo de Estudos Nietzsche, 2007, p.27-57.
______________. A questão do livre arbítrio e a crítica de Nietzsche ao Estado moderno. Ethica: Cadernos Acadêmicos. Rio de Janeiro, Vol.11, n.1 e 2, 2004, p.199-219.
DIAS, Rosa. Amizade Estelar: Shopenhauer, Wagner e Nietzsche. Rio de Janeiro: Imago, 2009.
DÍAZ, Esther. A filosofia de Michel Foucault; tradução de Cesar Candiotto. 1 ed. São Paulo: Editora Unesp, 2012.
FINK, Eugen. La filosofía de Nietzsche. Título Original: Nietzsches Philosophie. Versión española de Andrés Sánchez Pascual. Madri: Alianza Universidad, 1996.
FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008 (coleção tópicos).
_____________. Em Defesa da Sociedade: curso dado no Collège de France (1975-1976); tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999 (coleção tópicos).
GOICOCHEA, Diego Felipe. La critica de Nietzsche a la democracia. Bogotá: Universidade Nacional de Colombia, Facultad de Ciencias Humanas, Departamento de Filosofia, 2009.
LAZZARATO, Maurizio. Biopolítica/Bioeconomia. In: PASSOS, Izabel C. Friche (organizadora). Poder, normalização e violência: incursões foucaultianas para a atualidades. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008. (Coleção Estudos Foucaultianos), p. 41-52.
NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Escritos sobre Política; Noéli Correia de Melo Sobrinho (organização, tradução, apresentação e notas). Rio de Janeiro: Ed.PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2007.
____________. Cinco Prefácios para Cinco Livros Não Escritos. Pedro Süssekind (tradução e prefácio). Rio de Janeiro: 7 Letras, 2000a.
_____________. Humano Demasiado Humano; tradução Paulo César de Souza. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2000b.
____________. Segunda Consideração Intempestiva. Rio de Janeiro: Relime Dumará, 2003.
____________. Segunda Consideração Extemporânea: sobre a utilidade e a desvantagem da história para a vida. Tradução de André Luis Mota Itaparica. Sem data.
SCANVONE, Lucila; ALVAREZ, Marcos César; MISKOLCI (organizadores). O Legado de Foucault. São Paulo: Editora da UNESP, 2006.
SEIXAS, Rogério Luis da Rocha. Uma ontologia crítica da racionalidade política na atualidade. In: CASTELO BRANCO, Guilherme; VEIGA-NETO, Alfredo (organizadores). Foucault: filosofía & política. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. (Coleção Estudos Foucaultianos), p. 333-347.
SOBRINHO, Noéli Correia de. Apresentação. In: NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Escritos sobre Política; Noéli Correia de Melo Sobrinho (organização, tradução, apresentação e notas). Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2007.
SOUZA, Luís Antônio Francisco de. Paradoxos da modernidade vigiada: Michel Foucault e as reflexões sobre a sociedade de controle. In: SCAVONE, Lucila; ALVAREZ, Marcos César; MISKOLCI, Richard (organizadores). O Legado de Foucault. São Paulo: Editora da UNESP, 2006.
WOTLING, Patrick. A problemática da civilização contra a problemática da verdade. A missão do filósofo segundo Nietzsche. Cadernos Nietzsche n.26. São Paulo: Grupo de Estudos Nietzsche, 2010, p.13-34.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Leal, G. de F. (2020). O TRABALHO PARA A VIDA E A VIDA PARA O TRABALHO: UMA CONFLUÊNCIA ENTRE NIETZSCHE E FOUCAULT ACERCA DO HOMEM MODERNO. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(37), 117-132. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i37p117-132