A “QUESTÃO FEMININA” E UMA QUESTÃO FEMINISTA: IDENTIDADE

Autores

  • Tessa Moura Lacerda FFLCH - USP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i37p147%20-%20160

Palavras-chave:

identidade, gênero, sujeito, outro, feminismos

Resumo

Trata-se de pensar como uma questão tradicional na História da Filosofia ocidental reaparece como problema nos estudos de gênero: a identidade. A maneira como a Filosofia constituiu, desde Descartes, o sujeito e a identidade do sujeito implica a exclusão de outros sujeitos possíveis, que passam a ser desumanizados e considerados como o “Outro”. Para pensar essa relação entre um sujeito e muitos outros excluídos desse lugar, recuperamos algumas reflexões de J. Butler, A. Mbembe, Paul Preciado, G. Spivak e Denise Ferreira da Silva.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, A. “A metástase. O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio”. In: Revista Piaui, edição 150, março de 2019.

ALMEIDA, S. “Prefácio – apresentando Spivak”. In: SPIVAK, G. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BIRCHAL, T. O eu nos Ensaios de Montaigne. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

BUTLER, J. “Violence, Mourning, Politics”. In: Precarious life. The powers of mourning and violence. London/New York: Verso, 2004.

______. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

FEDERICI, S. O feminismo e as políticas do comum. Série Pandemia. São Paulo: n-1 edições, 2017.

FERREIRA DA SILVA, D. Toward a global idea of race. Minneapolis/London: University of Minnesota Press, 2007.

______. “Sobre diferença sem separabilidade”, 32ª. Bienal de São Paulo: Incerteza Viva, ed. Jochen Volz e Júlia Rebouças, catálogo da mostra. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016, pp. 57-65.

______. “A dívida impagável: lendo cenas de valor contra a flecha do tempo”. In: A dívida impagável. São Paulo: Edição Oficina de Imaginação Política e Living Comons, 2019.

______. “1 (vida) ÷ 0 (negritude) = ∞ - ∞ ou ∞/∞: sobre a matéria além da equação de valor”. In: A dívida impagável. São Paulo: Edição Oficina de Imaginação Política e Living Comons, 2019.

______. “Introdução: (di)ante(s) do texto”. In: A dívida impagável. São Paulo: Edição Oficina de Imaginação Política e Living Comons, 2019.

FOUCAULT, M. O corpo utópico, as heterotopias (série radiofônica sobre utopia, 7/12/1966). São Paulo: n-1 edições, 2013.

FRÉMONT, C. L ‘être et la relation. Paris: Vrin, 1999.

GONZALEZ, L. “Por um feminismo afro-latino-americano”. In: Cadernos de Formação política do Círculo Palmarino, n.1, 2011.

LEOPOLDO E SILVA, F. “Deleuze: filosofia da diferença”. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=6Her0PEsMao

MBEMBE, A. O fardo da raça. Série Pandemia. São Paulo: n-1 edições, 2018.

PRECIADO, P. B. “Transfeminismo”. In: Transfeminismo. Série Pandemia. São Paulo: n-1 edições, 2018.

______. Testojunkie. São Paulo: n-1 edições, 2018.

RODRIGUES, Carla; MARTINS, Ana Carolina; PAZ, Caio; PINHO, Isabela; e MONTEIRO, Juliana (2020) “Agamben sendo Agamben: por que não?”. In: Blog da Boitempo, 16/05/2020. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2020/05/16/agamben-sendo-agamben-por-que-nao/. Consultado em 31/05/2020.

SPIVAK, G. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TAMIKA, M. “‘Nós aprendemos a violência com você’: discurso da ativista negra Tamika Mallory simboliza protestos nos EUA”. Disponível em: https://www.brasil247.com/mundo/nos-aprendemos-a-violencia-com-voce-discurso-da-ativista-negra-tamika-mallory-simboliza-protestos-nos-eua. Consultado em 31/05/2020.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Lacerda, T. M. (2020). A “QUESTÃO FEMININA” E UMA QUESTÃO FEMINISTA: IDENTIDADE. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(37), 147-160. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i37p147 - 160