SOBERANO E ESTADO DE EXCEÇÃO: RESSALVAS A AGAMBEN

Autores

  • Alberto Ribeiro Gonçalves de Barros USP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i37p63-71

Palavras-chave:

Agamben, Schmitt, Bodin, Soberania, Lei, Exceção

Resumo

Este artigo discute a interpretação de Giorgio Agamben sobre a posição paradoxal do soberano, que estaria, ao mesmo tempo, dentro e fora do ordenamento jurídico. Pretende mostrar que esta interpretação, pelo menos na forma em que é enunciada, por meio do conceito de estado de exceção de Carl Schmitt, não se sustenta. Agamben enfraquece o teor jurídico do pensamento de Schmitt em favor de uma teoria da exceção e faz uma projeção indevida da situação paradoxal do estado de exceção para o soberano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

__________. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

BARROS, Alberto R. A teoria da soberania de Jean Bodin. São Paulo: Unimarco/Fapesp, 2001.

BODIN, J. Les six livres de la République. Paris: Fayard, 1986.

FITZPATRICK, Peter. “Bare Sovereignty: Homo Sacer and the Insistence of Law”. In: Theory and Event, n. 5, 2001, p. 1-20.

MACEDO, Ronaldo Porto. Carl Schmitt e a fundação do direito. São Paulo: Max Limonad, 2001.

NORRIS, Andrew. “Giorgio Agamben and the politics of living dead”. In: Diacritics, n. 30, 2000, p. 38-58.

SCHMITT, Carl. “Teologia Política: quatro capítulos sobre a doutrina da soberania.” In: SCHMITT, Carl. A crise da democracia parlamentar. São Paulo: Scritta, 1996.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Barros, A. R. G. de. (2020). SOBERANO E ESTADO DE EXCEÇÃO: RESSALVAS A AGAMBEN. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(37), 63-71. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i37p63-71