UMA LEITURA OPERARISTA DA HISTÓRIA. APRESENTAÇÃO DO TEXTO JOHN MAYNARD KEYNES E A TEORIA CAPITALISTA DO ESTADO EM 29, DE ANTONIO NEGRI

Autores

  • Jefferson Viel

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i37p205%20-%20220

Palavras-chave:

Antonio Negri, John Maynard Keynes, operarismo italiano, Estado-social, 1917-1929

Resumo

Neste volume é oferecida a tradução, inédita para a língua portuguesa, de John M. Keynes e a teoria capitalista do Estado em 1929, um importante ensaio de Antonio Negri publicado originalmente em 1968. A fim de apresentá-lo ao leitor lusófono, pretendo primeiramente destacar o lugar desse ensaio no interior do itinerário filosófico do autor, considerando especialmente o contexto de seu retorno à produção filosófica após o período por ele mesmo chamado de “propedêutica à luta de classes” e a sua filiação ao chamado “operarismo italiano”. Em seguida, tecerei algumas considerações gerais sobre a interpretação negriana da obra de Keynes, enfatizando a dita “intuição política” manifestada pelo economista britânico em relação ao novo lugar da classe operária no cenário econômico do pós-guerra e o desdobramento dessa intuição num corpo teórico sistemático. Por fim, espero situar no interior de certo percurso teórico-político operarista dos anos 1960 tanto a tese de Negri sobre a emergência do Estado-social a partir da teoria keynesiana quanto a afirmação de um novo marco histórico nos desenvolvimentos capitalista e da luta de classes a partir de 1917-1929, além de indicar o surgimento de um marco ulterior desses desenvolvimentos nos eventos ocorridos em 1968.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALQUATI, Romano. Sulla FIAT e altri scritti. Milano: Feltrinelli, 1975.

BOCK, Gisela; CARPIGNANO, Paolo; RAMIREZ, Bruno. La formazione dell’operaio massa negli USA: 1898/1922. Milano: Feltrinelli, 1976.

BOLOGNA, Sergio. “Composição de classe e teoria do partido na origem do movimento dos conselhos de trabalhadores”. In: Processo de trabalho e estratégias de classe. Trad. Waltensir

Dutra. Rio de Janeiro: Zahar, 1982, pp. 98-130.

CASARINO, Cesare; NEGRI, Antonio. In the praise of de common: a conversation on Philosophy and Politics. Minneapolis; London: University of Minnesota, 2008.

DELEUZE, G. Conversações: 1972-1990. Trad. Peter Pál Pelbart. 2a ed., São Paulo: 34, 2010.

FONSECA, Thiago Silva Augusto da. “Lênin na Inglaterra: Mario Tronti e o operarismo italiano”. Cadernos de Ética e Filosofia Política, v. 2, n. 29, pp. 144-57, 2016. Disponível em:

<http://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/124490/120985>. Acesso em: 1 de março de 2017.

______. “Negri, Hardt e a dialética hegeliana”. Cadernos Espinosanos, v. 30, pp. 173-91, 2014. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/espinosanos/article/view/83781/86682>. Acesso em: 31 de outubro de 2017.

GUATTARI, Félix; NEGRI, Antonio. As verdades nômades: por novos espaços de liberdade. Trad. Mario Antunes Marino; Jefferson Viel. São Paulo: Editora Filosófica Politeia; Autonomia Literária, 2017.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Assembly: a organização multitudinária do comum. Trad. Lucas Carpinelli; Jefferson Viel. São Paulo: Politeia, 2018.

______. Império. Trad. Berilo Vargas. 7a ed., Rio de Janeiro: Record, 2005.

______. Labor of Dionysus: a critique of the State-form. Minneapolis; London: University of Minnesota, 1994.

KEYNES, John Maynard. A teoria geral do emprego, do juro e da moeda. Trad. Mário R. da Cruz. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

______. “Am I a Liberal?” In: Essays in Persuasion. 3a ed., Basingstoke; New York: Palgrave Macmillan, 2010.

______. As conseqüências econômicas da paz. Trad. Sérgio Bath. São Paulo; Brasília: Imprensa Oficial; Editora da UnB, 2002. (Clássicos IRPI).

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

NEGRI, Antonio. Cinco lições sobre Império. Trad. Alba Olmi. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

______. Fine sècolo: un manifesto per l’operaio sociale. Milano: SugarCo, 1988.

______. I libri del rogo. Roma: DeriveApprodi, 2006.

______. Il lavoro nella Costituzione. Verona: Ombre Corte, 2009.

______. Marx além de Marx: ciência da crise e da subversão: cadernos de trabalho sobre os Grundrisse. Trad. Bruno Cava. São Paulo: Autonomia Literária, 2016.

______. “Un inttelletuale fra operai”. In: SACHETTO, Devi; SBROGIÒ, Gianni (Org.). Quando il potere è operaio. Roma: Manifestolibri, 2009, p. 140–50.

TRONTI, Mario. “Lênin na Inglaterra”. Cadernos de Ética e Filosofia Política, Trad. Homero Santiago. v. 2, n. 29, p. 158–63, 2016. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/124494/120989>. Acesso em: 1 de junho de 2017.

VIEL, Jefferson. A formação do conceito de trabalho imaterial na filosofia de Antonio Negri. Universidade de São Paulo, 2017. Disponível em:<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-05012018-111710/pt-br.php>. Acesso em: 21 de janeiro de 2018.

WATTEL, Harold L. (Org.). The policy consequences of John Maynard Keynes. London: Macmillan, 1985.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Viel, J. (2020). UMA LEITURA OPERARISTA DA HISTÓRIA. APRESENTAÇÃO DO TEXTO JOHN MAYNARD KEYNES E A TEORIA CAPITALISTA DO ESTADO EM 29, DE ANTONIO NEGRI. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(37), 205-220. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v2i37p205 - 220