A noção de liberdade para Silvia Federici

Autores

  • Maria Cristina Longo Cardoso Dias Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v39i2p161-176

Palavras-chave:

Liberdade, Lutas, Silvia Federici , Modo de produção capitalista, Opressões

Resumo

Busca-se, neste artigo, explicitar o conceito de liberdade para Silvia Federici. Será mostrado que esta noção, para a autora, significa a construção de lutas contra o modo de produção capitalista entendido como um sistema produtor e reprodutor de diversas formas de opressão como as de classe, raça e gênero, com vistas ao lucro. Neste sentido, torna-se necessário explicitar o processo de acumulação primitiva de capital como constituinte de antigas e atuais explorações para então mostrar as diversas lutas anticapitalistas que se formam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Longo Cardoso Dias, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutora em filosofia pela USP e Docente do Departamento de Filosofia da UFRN.

Referências

AUSTIN, Arlen. “Times of dispossession and (re)possession: An interview with Silvia Federici”. In: TDR: The Drama Review. New York, 62:1, (T237), Spring, 2018, pp.131-142.

CAFFENTZIS, G. FEDERICI, S. “Commons against and beyond capitalism”. In: Com-munity Development Journal. Vol. 49, n.S1, January, 2014, pp. i92–i105.

DAVIS, Ângela. A Liberdade é uma luta constante. São Paulo: Boitempo Editorial, 2018.

DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016. [Women, race & class. New York: Vintage Books, 1983].

DIAS, M.C.L.C. “A questão da opressão para Angela Davis”. In: Princípios. Natal, Vol. 27, n.52, Jan-Abr., 2020, pp. 143-163.

ELLIOT, Jane e FRANKLIN, Seb. “The synthesis is in the machine: An Interview with Silvia Federici”. In: Australian Feminist Studies, Vol. 33, n. 96, 2018, pp. 172–177.

FABBRI, L. “Desprendimiento androcéntrico. Pensar la matriz colonial de poder desde los aportes de Silvia Federici y María Lugones”. In: Universitas humanística. Bogotá, n. 78, jul-dez, 2014, pp. 89-107.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa. São Paulo: Elefante editora, 2017.

FEDERICI, Silvia. “From commoning to debt: financialization, microcredit, and the changing architecture of capital accumulation”. In: The South Atlantic Quarterly. Duke, 113:2, Spring, 2014.

FEDERICI, Silvia. “Marx and feminism”. In: TripleC. New York, 16(2), 2018, pp. 468-475.

FEDERICI, Silvia. O Ponto Zero da Revolução. São Paulo: Elefante editora, 2019.

FEDERICI, Silvia. O feminismo não é uma escada para a mulher melhorar sua posição. El País, 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/03/20/cultura/1553071085_109576.html.

FEDERICI, Silvia. “Women, money and debt: Notes for a feminist reappropriation Movement”. In: Australian Feminist Studies, Vol. 33, n. 96, 2018, pp. 178–186.

HERNÁNDEZ, T. C. DELMY e MARTÍNEZ, T. G. MARÍA. En nombre de Sycorax: un homenaje a Silvia Federici. Nómadas, 48, 2018, pp. 206-215.

MARX, Karl. O capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

MIGUEL, Ana, F. de V. “Revolución en punto cero. Trabajo doméstico, reproducción y luchas feministas”. In: Revista Española de Ciencia Política, n. 39, Noviembre, 2015, pp. 301-305.

RAMOS, S. S. “Mulheres e gênese do capitalismo: de Foucault a Federici”. In: Princípios. Natal, Vol. 27, n. 52, Jan-Abr., 2020, pp. 199-212.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Como Citar

Dias, M. C. L. C. (2021). A noção de liberdade para Silvia Federici. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 39(2), 161-176. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v39i2p161-176