Sobre a importância da transversalidade de gênero para o debate feminista contemporâneo

Autores

  • Veronica Calado Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v39i2p333-343

Palavras-chave:

Gênero, Transversalidade, Feminismos, Políticas públicas, Direito das mulheres

Resumo

O primeiro tratado versando sobre a necessidade do desenvolvimento de cooperação internacional para a defesa dos direitos humanos, independentemente de raça, sexo, língua ou religião, foi a Carta das Nações Unidas (1945). A partir de então outros documentos, tais como a Convenção Interamericana sobre a concessão dos direitos civis à mulher (1948), Convenção sobre os Direitos Políticos (1953), Convenção para eliminar todas as formas de discriminação contra a mulher (1979), foram firmados. No Brasil, a questão da desigualdade de gênero voltou a ser debatida, na esteira no processo de redemocratização nacional, a partir da década de 1980. Não obstante, a agenda política internacional persiste na defesa da superação da desigualdade sob o viés individual, ignorando sua interface com outras questões, tais como: pobreza, raça ou etnia, entre outras. Negligenciam-se também aspectos importantes ao debate, tais como a desnaturalização e a dimensão identitária do corpo, e a ética feminista da negação do dever de cuidado. Observar a mulher para além dos limites impostos pela divisão sexual e social do trabalho pode auxiliar no processo de efetivação dos direitos e garantias fundamentais assegurados a esse grupo focal pela via normativa, mas reiteradamente negados pelos costumes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Veronica Calado, Universidade Federal do Paraná

Mestranda em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil; Mestra em Direito Empresarial e Cidadania pelo Centro Universitário Curitiba.

Referências

BANDEIRA, L. M.; ALMEIDA, T. M. C. de. “A transversalidade de gênero nas políticas públicas”, In: Revista do CEAM, v. 2, n. 1, pp. 35-46, 2013.

BRASIL. Constituição (1988). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 26 mar.2017.

BRASIL. Decreto 1.9841, de 22 de outubro de 1945. Promulga a carta das Nações Unidas, da qual faz parte integrante o anexo Estatuto da Corte Internacional de Justiça, assinada em São Francisco, a 26 de junho de 1945, por ocasião da Conferência de Organização Internacional das Nações Unidas. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 22 outubro 1945. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930- 1949/d19841.htm. Acesso em: 9 jun.2017.

BRASIL. Decreto n 65.810, de 8 de dezembro de 1969. Promulga a Convenção Internacional sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, 8 de dezembro de 1969. Disponível em: http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=9483. Acesso em: 2 jun.2017.

BRASIL. Gênero e pobreza no Brasil: relatório final do projeto Governabilidad Democratica de Género en America Latina y el Caribe. CEPAL, SPM: Brasília, 2005.

BRASIL. Violência LGBTFóbicas no Brasil: dados da violência/ elaboração de Marcos Vinícius Moura Silva – Documento eletrônico – Brasília: Ministério dos Direitos Humanos, 2018. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/biblioteca/consultorias/lgbt/violencia- lgbtfobicas-no-brasil-dados-da-violencia. Acesso: 07 fev.2020.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. Tradução Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo.

FLAUBERT, G. Madame Bovary: costumes de província. Tradução Fúlvia M. L. Moretto. São Paulo: Nova Alexandria, 2007.

Mapa da violência de Gênero: mulheres são quase 67% das vítimas de agressão física no Brasil. Documento eletrônico. 11 jul.2019. Disponível em: http://www.generonumero.media/mapa-da-violencia-de-genero-mulheres-67-agressao- fisica/. Acesso: 12 fev.2020.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

MILL, J. S. A sujeição das mulheres. Tradução Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras,

MILL, J. S. Considerações sobre o governo representativo. Tradução Denise Bottman. Porto Alegre, RS: L&PM, 2018.

REALE, Miguel. Lições preliminares de Direito. São Paulo: Saraiva, 2002.

REALE, Miguel Filosofia do Direito. São Paulo: Saraiva, 2002.

ROCHA, Carmem Lúcia Antunes. “Ação afirmativa: o conteúdo democrático do princípio da igualdade jurídica”. In: Revista de Informação Legislativa. V. 33, n. 131, pp. 283-295, 1996. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/176462. Acesso em: 2 jun.2017.

ROCHA, Carmem Lúcia Antunes. “O princípio da dignidade da pessoa humana e a exclusão social”. In: Revista Interesse Público, n. 4, pp. 23-49, 1999. Disponível em: http://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/32229-38415-1-PB.pdf. Acesso em: 1 jun.2017.

ROCHA, Carmem Lúcia Antunes. “Ação Afirmativa: O conteúdo democrático do princípio da igualdade jurídica”. In: Revista de informação legislativa. v. 33., n. 131, pp. 283-295, 1996. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/176462. Acesso em 30 jun. 2016.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Documento eletrônico. Brasília: Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, 2015. Disponível em: https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf. Acesso: 07 fev.2020.

WOOLF, V. As mulheres devem chorar... Ou se unir contra a guerra: patriarcado e militarismo. Tradução Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Como Citar

Calado, V. (2021). Sobre a importância da transversalidade de gênero para o debate feminista contemporâneo. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 39(2), 333-343. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v39i2p333-343