A intelectualidade negra e a produção científica: um olhar decolonial

Autores

  • Betânia de Assis Reis Matta Universidade Estadual do Amazonas
  • Rita de Cássia Fraga Machado Universidade Estadual do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v39i2p33-44

Palavras-chave:

Gênero, Pensamento decolonial, Educação, Feminismo

Resumo

Este artigo discute o papel feminino na produção de conhecimentos científicos a partir da perspectiva decolonial. Possui como linha de análise a educação libertadora e reflete sobre os discursos sociais contemporâneos pautados em um modelo de pensamento colonialista. Para esse pensamento colonialista, a questão de gênero ainda é muito relevante. A importância deste tema se justifica pela necessidade de compreender os aspectos procedentes da mentalidade colonizadora, que silenciou, censurou e desvalorizou o conhecimento produzido pelas mulheres ao longo da história. Por isso, espaços democráticos de debates devem ser criados para que os grupos que não foram visibilizados durante muito tempo por essa sociedade patriarcal, machista e desigual possam ser ouvidos e acolhidos. Para tanto, a metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica, tendo como corpus de análise artigos científicos e livros. Os materiais pesquisados fazem referência aos estudos decoloniais e ao legado do Movimento Feminista Negro.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Betânia de Assis Reis Matta, Universidade Estadual do Amazonas

Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Especialista em criança e adolescente em situação de risco social (UNIFRA -RS) e Gestão Pública (UEA -AM). Mestra em Ciências Humanas pelo Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPGICH).

Rita de Cássia Fraga Machado, Universidade Estadual do Amazonas

Vice Coordenadora do PPG em Educação da Universidade Estadual do Amazonas –CEST/UEA. É membro da Rede Brasileira de Mulheres Filósofas, da UNESCO -Rede de Mulheres Filósofas da América Latina e do GT -Filosofia e Gênero da ANPOF (2021-2023). Pós-doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Bolsista PNPD/CAPES. Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Ed. Sá da Costa, 1978.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: Ed. UFBA, 2008.

GOMES, Nilma Lino. Intelectuais negros e produção do conhecimento: algumas reflexões sobre a realidade brasileira. In: SANTOS. B.; MENEZES, M. (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. pp. 492-516.

GOMES, Nilma Lino. Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educação e sociedade. Campinas, v. 33, n 120, jul-set 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302012000300005. Acesso em 24 abril 2021.

HOOKS, Bell. Ensinar a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

MUNANGA, Kabengele. Prefácio. In: Descolonização do conhecimento no contexto afro-brasileiro. Bahia, Ed. UFRB, 2017.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad y modernidad-racionalidad. In: BONILLO, H. (Org.). Los conquistados. Bogotá: Tercer Mundo Ediciones; FLACSO, 1992.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SANTIAGO, Ana Rita. Intelectuais negras: entre a invisibilidade e a resistência. In: Descolonização do conhecimento no contexto afro-brasileiro. Bahia: Ed. UFRB, 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: por uma nova cultura política. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SOUZA, Grace Kelly Silva Sobral. Mulheres negras e relações de gênero: narrativas de construção da identidade de mulheres negras participantes do Bloco Afro Akomabu do Centro de Cultura Negra do Maranhão. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017. Disponível em: http://tedebc.ufma.br:8080/jspui/browse?type=author&value=Souza%2C+Grace+Kelly+Silva+Sobral. Acesso em 24 abril 2021.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Como Citar

Matta, B. de A. R. ., & Machado, R. de C. F. . (2021). A intelectualidade negra e a produção científica: um olhar decolonial. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 39(2), 33-44. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v39i2p33-44