A interseccionalidade como base do feminismo negro

Autores

  • Halina Macedo Leal Universidade Regional de Blumenau (FURB)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v39i2p21-32

Palavras-chave:

Feminismo negro, Gênero, Interseccionalidade, Opressão, Raça

Resumo

A análise de processos de opressão de gênero começa a emergir nas reflexões filosóficas, seja pelo foco no funcionamento do sistema patriarcal ou pelo foco na intersecção do patriarcado com relações de dominação a partir de origens etnicorraciais. Em geral, tais reflexões buscam examinar os fundamentos dos sistemas opressivos e a reação das mulheres a tais sistemas. São localizadas diferentes formas e demandas dos movimentos feministas e os modos como estes procuram, por meio da discussão sobre gênero, fortalecer o papel social e político das mulheres. Neste contexto, o presente artigo visa examinar o lugar do  feminismo negro no debate e suas  bases de sustentação, tendo em vista as peculiaridades das necessidades das mulheres negras. Estas peculiaridades estão relacionadas à inseparabilidade estrutural entre patriarcado, sexismo, racismo e
suas articulações que implicam em múltiplas situações de opressão sofridas por este grupo de mulheres. Em outras palavras, busca-se analisar a centralidade do conceito de interseccionalidade para a compreensão da atuação do feminismo negro nas reflexões filosóficas acerca da condição da mulher negra na sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Halina Macedo Leal, Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Professora de filosofia na Universidade Regional de Blumenau, FURB.

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte, MG: Letramento:Justificando, 2018.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento Feminista Negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. tradução Jamile Pinheiro Dias. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, Kimberlé. A Interseccionalidade na Discriminação de Raça e Gênero. Cruzamento: Raça e gênero. Brasília, p. 7-16, 2004.

DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. Tradução Heci Regina Candiani. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscaras Brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FEYERABEND, Paul. Against Method. Londo: Verso, 1993.

FEYERABEND, Paul. A Ciência em uma Sociedade Livre. São Paulo: UNESP, 2011.

FRIEDAN, Betty. A Mística Feminina. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2020.

HOOKS, bell. E eu não sou uma mulher? Mulheres negras e feminismo. Tradução Bhuvi Libanio. 1 ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

HOOKS, bell. Teoria Feminista: da margem ao centro. Tradução Rainer Patriota. – São Paulo: Perspectiva, 2019.

JORDAN, June. Civil Wars. Boston: Beacon Press, 1981.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução Jess Oliveira. 1 ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LORDE, Audre. Sister Outsider. Berkeley: Crossing Press, 2007.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Como Citar

Leal, H. M. (2021). A interseccionalidade como base do feminismo negro. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 39(2), 21-32. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v39i2p21-32