Leibniz: Ação Racional e Fraqueza da Vontade

Autores

  • André Chagas Ferreira de Souza

Palavras-chave:

ação humana – fraqueza da vontade – Leibniz – vontade – percepção.

Resumo

Neste artigo, procura-se enfatizar um clássico problema ligado à ação humana que pode ser extraído dos textos leibnizianos, a saber, a fraqueza da vontade, uma questão resumida de maneira emblemática por Ovídio: Vejo o melhor partido e o aprovo, porém adoto o pior. O autor da Teodicéia parece sugerir um caminho para entender o fenô-meno da akrasia. Uma boa fonte para essa investigação é a sua obra Novos Ensaios sobre o Entendimento Humano, em que ele debate teses dos Ensaios sobre o Entendimento Humanode Locke. No texto leibniziano, um dos conceitos discutidos é o de inquietação (uneassiness). Locke entende que o fundamento para as ações humanas seria evitar o incômodo causado pela sensação de falta de algo. Leibniz não refuta por completo essa ideia do filósofo inglês, porém busca aperfeiçoá-la ao introduzir as “percepções inapercebidas”. Na filosofia leibniziana, o problema da fraqueza da vontade pode estar ligado a uma região que o agente não conhece diretamente, mas que é fundamental para qualquer ação, mesmo para as ditas racionais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Souza, A. C. F. de. (2011). Leibniz: Ação Racional e Fraqueza da Vontade. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 1(18), 7-21. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/55720

Edição

Seção

Artigos