O tempo e o agir: considerações sobre as relações entre o pensar e o problema do mal em Hannah Arendt.

  • Sérgio Dela-Sávia
Palavras-chave: pensar, temporalidade, agir, ética.

Resumo

A questão que nos interessa aqui pode ser assim formulada: qual é o “lugar” do pensar na estrutura da práxis ética? Dito de outro modo, como esta “atividade do espírito”, comumente oposta à ação, se inscreve no raciocínio prático capaz de assinalar um sentido ético à ação? Qualquer que seja a relação que possamos estabelecer entre o pensar e o bem, entre a visada do bem e o ato que o torna efetivo, podemos nos perguntar se o mesmo ocorre com seus opostos: a ausência de pensamento e o mal. Tal questão nos conduz, finalmente, aos limites da ação ética enquanto tal. Ora, se é preciso bem pensar para bem agir, pode-se dizer que a ausência de pensamento ou de discernimento ocasiona a má ação? Dois autores serão principalmente mobilizados para esse estudo: Hannah Arendt e Aristóteles.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
Dela-Sávia, S. (1). O tempo e o agir: considerações sobre as relações entre o pensar e o problema do mal em Hannah Arendt. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(19), 157-179. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/55743
Seção
Artigos