Estado de guerra e sociabilidade em Rousseau: a interpretação de Derathé

Autores

  • Natalia Maruyama

Palavras-chave:

filosofia política, guerra, pacto político, Rousseau, sociabilidade

Resumo

Para Rousseau a guerra é gerada no interior mesmo da associação. Podemos tomar como referência aquelas primeiras sociedades, mais rústicas, da Época de Ouro, ou as sociedades políticas que já supõem o estabelecimento do direito e das leis mediante o pacto social. A sociabilidade não exclui a guerra latente, condicionada pelos conflitos entre interesses divergentes. Como isso é possível? Do ponto de vista da associação, os laços entre guerra e sociabilidade se formam junto às desigualdades instauradas pelo pacto social. Desse modo, podemos dizer que a associação não elimina, mas prolonga o estado generalizado de guerra. No presente estudo consagramo-nos à interpretação de Derathé, a partir da caracterização de duas oposições – entre Rousseau e Hobbes e entre estado de natureza e estado de guerra – e um assentamento, a tese da sociabilidade natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Maruyama, N. (2010). Estado de guerra e sociabilidade em Rousseau: a interpretação de Derathé. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 1(16), 117-135. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/82591

Edição

Seção

Artigos