Rousseau e a questão das educações pública e doméstica

Autores

  • Maria de Fátima Simões Francisco

Palavras-chave:

contradição, cidadão, homem, concerto

Resumo

Nas várias leituras que se fizeram do Emílio, especialmente por pedagogos, observa-se uma interpretação predominante que dá como certo que Rousseau deixa de lado a educação pública, voltada para a formação do cidadão, e opta por uma proposta de educação doméstica, visando formar o homem, o particular, o indivíduo. Neste artigo, pretende-se chamar a atenção para algumas dificuldades implicadas nessa interpretação com base no exame de uma importante passagem do Emílio, em que o autor expõe a contradição homem-cidadão e o dilema da escolha entre um ou outro. Toda a discussão aponta para a hipótese de que Rousseau almeja uma conciliação, um “concerto”, entre as exigências contraditórias de seu projeto educativo, uma vez que, para além da escolha exclusiva entre o homem ou o cidadão, é preciso formar Emílio em “acordo consigo mesmo”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Francisco, M. de F. S. (2010). Rousseau e a questão das educações pública e doméstica. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 1(16), 59-78. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/82594

Edição

Seção

Artigos