Hugo Grotius e as relações internacionais: entre o direito e a guerra

  • Gabriel Ribeiro Barnabé
Palavras-chave: Hugo Grotius, relações internacionais, direito internacional público, guerra justa

Resumo

De acordo com Hugo Grotius, o homem possui, naturalmente, um desejo de viver em sociedade, não uma sociedade qualquer, mas uma sociedade pacífica e ordenada segundo sua recta ratio. O homem, através do exercício de sua racionalidade, constrói um direito internacional que promove a sociabilidade entre os Estados e permite que convivam, ainda que sem alcançar a paz. Ao argumentar pelo estabelecimento de regras mínimas necessárias para o mínimo de sociabilidade, Grotius conjuga tanto aqueles que acreditam na justiça do direito natural quanto aqueles que o aceitam por razões de auto-interesse. A violação dessas regras mínimas autoriza uma guerra justa.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
Barnabé, G. R. (1). Hugo Grotius e as relações internacionais: entre o direito e a guerra. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 2(15), 27-48. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/82606
Seção
Artigos