[1]
C. C. de Castro, “Marquês de Sade: o sensualismo em sua forma máxima”, Cad. Ética Filos. Polít., vol. 2, nº 15, p. 85-104, dez. 2009.