A teoria marxista da dependência e os limites do nacional-desenvolvimentismo e do neodesenvolvimentismo

Autores

  • Alessandro Rodrigues Chaves UNESP-Araraquara

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v28i2p22-56

Palavras-chave:

Teoria marxista da dependência. Nacional-desenvolvimentismo. Neodesenvolvimentismo. Revolução.

Resumo

Desenvolvemos neste artigo as críticas que a Teoria Marxista da Dependência (TMD) – com base, principalmente, nos escritos de Ruy Mauro Marini – realizaram às ideias e práticas políticas que procuravam superar o subdesenvolvimento através da modernização das relações capitalistas, o que ficou conhecido como desenvolvimentismo. Procura, ainda, atualizar os elementos dessa crítica diante da emergência do neodesenvolvimentismo, em especial, o praticado no Brasil na primeira década do século XXI. Serão encontrados argumentos que apontam para o fato de que a TMD apresenta sólida coerência crítica em relação às estratégias de desenvolvimento que ganharam relevância na América Latina no início do século XXI. Ainda, sua formulação teórica não deve ser inserida nos marcos das teorias que procuram alternativas para a superação da condição periférica através da intensificação das relações capitalistas, mas sim no campo da revolução socialista. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Rodrigues Chaves, UNESP-Araraquara

Doutorando em Ciências Sociais pela UNESP-Araraquara.

Downloads

Publicado

2018-01-31

Como Citar

Chaves, A. R. (2018). A teoria marxista da dependência e os limites do nacional-desenvolvimentismo e do neodesenvolvimentismo. Cadernos CERU, 28(2), 22-56. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v28i2p22-56

Edição

Seção

Dossiê Amazônia