«Não basta ser mulher para ser justa»: resistência à marginalização de Paulina Chiziane fora do registo ficcional

Autores

  • Cremildo Bahule Universidade Eduardo Mondlane

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v29i1p101-112

Resumo

Na perspectiva de refl ectir a marginalização feminina, este artigo perscruta o ideal de resistência da mulher em Moçambique. Apura, ainda, as referências histórico-culturais que recriam a amolgadura da discriminação da mulher e da sua personalidade partindo da tradição que funciona como um instrumento de controlo social. Nesse sentido, Chiziane adquire uma efi cácia douta e transporta tais enigmas sociais inseridos na sociedade moçambicana. No imaginário da tradição songa, por exemplo, ainda é abundante a ideia de que a mulher deve carregar trouxas e ser submissa porque foi lovolada (referente ao lovolada – casamento tradicional praticado em Moçambique). A consciência da marginalização da mulher é, ainda, predominante à medida que os pressupostos de engendração nos remetem a um caminho que deve ser seguido cegamente. Em consequência, a mulher percebe-se como um ser marginal. A sua voz é penhorada em nome da sociedade, hegemonicamente, masculina. Contudo, a mulher – na lógica da resistência, segundo Chiziane – engendra uma nova utopia: a resistência, o espaço intermediário onde a fragmentação pode se instalar, mesmo que em luta, desafi ando, assim, o poder de controlo do dominador. Quando a mulher resiste à marginalização subsidia-se, basicamente, em dois propósitos complementares: (i) uma estratégia de sobrevivência dentro de um campo de batalha e (ii) um elemento agregador do tecido humano na sociedade moçambicana. Chiziane constrói, mesmo que de forma utópica, uma lógica de oposição da mulher. O intuito de resistência de Chiziane assenta no reconhecimento de que o homem deve dar aos desígnios do feminismo. Pensando como Anderson (1989), as mulheres querem engendrar uma nova «consciência social» dentro do tecido social moçambicano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cremildo Bahule, Universidade Eduardo Mondlane

Ensaísta moçambicano e pesquisador independente. Poeta, editor e membro do concelho
editorial da revista brasileira Griots: Literaturas e Culturas Africanas. Entre 2007-2010,
investigador associado da UDS [Unidade de Diagnóstico Social] do CEA [Centro de
Estudos Africanos] da UEM [Universidade Eduardo Mondlane]. Entre 2010-2013,
investigador do ARPAC (Instituto de Investigação Sócio Cultural). Participou, como
investigador, na elaboração do livro: Multiculturalidade e Plurilinguismo – Tradição
Oral e Educação Plurilingue na África Central e Austral (www.contafrica.com). Dos
livros publicados, destacam-se: Carlos Cardoso – Um Poeta de Consciência Profética
(Alcance Editores, 2010), Literatura feminina, Literatura de Purifi cação: O Processo de
Ascese da Mulher na Trilogia de Paulina Chiziane (Ndjira, 2013). Actualmente, editor
da Khuzula.

Downloads

Publicado

2018-08-10

Como Citar

Bahule, C. (2018). «Não basta ser mulher para ser justa»: resistência à marginalização de Paulina Chiziane fora do registo ficcional. Cadernos CERU, 29(1), 101-112. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v29i1p101-112