A passagem do todo ao tudo: nação e globalização

  • Danilo Arnaut Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Resumo

O propósito deste artigo é compor uma reflexão histórico-cultural a respeito das relações entre o nacional e o global enquanto emblemas da sociabilidade em uma situação de globalização. Com base na ideia de que tais relações podem ser captadas historicamente por meio da esfera da Política, o argumento desenvolve-se em três etapas fundamentais. Primeiro, há uma abordagem sintética e interessada de certas viradas semânticas por meio das quais o termo “nação” se ressignifi cou historicamente, culminando na emergência dos Estados nacionais no século XIX – em especial a partir do Risorgimento na Itália. Em seguida, recupera-se parte do longo debate a respeito das relações político-culturais entre memórias e esquecimentos compartilhados, na formação e consolidação de Estados nacionais. Uma terceira etapa é dedicada a mutações nas esferas pública e privada dentro dessa perspectiva. Com base nisso, por fim, é possível avançar e observar a relevância de transformações da Política no mundo contemporâneo para a inteligência de processos de globalização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Arnaut, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Professor do Departamento de Sociologia da Universidade Federal do Paraná
(UFPR) e Pesquisador ad hoc do NEPPs-UNESP. Mestre e Doutorando em
Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Publicado
2018-08-15
Como Citar
Arnaut, D. (2018). A passagem do todo ao tudo: nação e globalização. Cadernos CERU, 29(1), 113-132. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/ceru/article/view/149036
Seção
Artigos