A cultura de cordel nas ruas, nas feiras e na academia

  • Yvone Dias Avelino Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Resumo

A literatura de cordel é uma das manifestações populares mais ricas da cultura brasileira. É muito comum nas regiões Norte e Nordeste do país, especialmente nos Estados do Pará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Alagoas, Paraíba e Ceará.

Suas origens são europeias, onde, na península Ibérica era chamada de “pliegos” e “sueltos”, ou seja, folhas soltas e volantes, especialmente em Madrid e Barcelona; especificamente em Portugal, era conhecida como literatura de cegos, a qual passou a ser uma lei promulgada por D. João V, que permitiu que a Irmandade dos Homens Cegos de Lisboa pudesse trabalhar publicizando nas calçadas de igrejas. Até então era considerada ociosidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yvone Dias Avelino, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Titular no Departamento de História, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Mestrado em História Social pela Universidade de São Paulo, Doutorado em História Econômica pela Universidade de São Paulo e Pós-Doutorado (1989) em História pela PUC-SP. Integra as Comissões Consultivas e Editorias das seguintes Revistas: Oralidades - Revista de História Oral (USP); Práxis - Revista Eletrônica de História e Educação (Universidade Jorge Amado - Salvador); Projeto História (PUC-SP); Aurora - Revista Eletrônica de Arte, Mídia e Política (PUC-SP).  Atua principalmente nos seguintes temas: Cidade, Cultura, História, Memória, Literatura e América Latina. Coordena o Núcleo de Estudos de História Social da Cidade - NEHSC - PUC-SP, existente há mais de 27 anos. Coordenou o curso de graduação em História da PUC-SP. É Editora da Revista Cordis - Revista Eletrônica de História Social da Cidade (http://revistas.pucsp.br/cordis)

Publicado
2020-04-23
Como Citar
Avelino, Y. (2020). A cultura de cordel nas ruas, nas feiras e na academia. Cadernos CERU, 30(2). Recuperado de https://www.revistas.usp.br/ceru/article/view/169031